Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

27
Abr08

Chuva

condutoras de domingo

Segundo nos consta, o Criador prepara-se para lançar a segunda versão do dilúvio bíblico e anda a fazer ensaios. É que há 145 anos que não chovia tanto, em tão pouco tempo. A revelação foi feita não pelo próprio Deus ou por um qualquer arcanjo, mas pelo Instituto de Meteorologia, o que temos afinal, na Terra, de mais parecido com omnisciência divina. 
O nível de precipitação recorde a que nos referimos – 62,9 mm - foi atingido em Lisboa no passado fim-de-semana. Mas alto lá! Se calhar, não nos devemos precipitar! Não se anunciam valores recorde assim, sem mais aquelas! A Natureza tem, decerto, muitos fenómenos e o PSD mais ainda. Alguém teve a preocupação de saber se este nível de precipitação inclui as lágrimas de crocodilo dos militantes do PSD pela demissão de Luís Filipe Menezes? E foi também há uma semana que decorreram os “Dias da Música” no Centro Cultural de Belém. Não se daria de os agudos de uma cantora mais cheiinha trespassarem o Oceanário e provocarem uma ruptura no tanque principal? E ponha-se ainda a hipótese de ter rebentado, finalmente, o saco das águas a José Carlos Malato! É que na Meteorologia, como em tudo, há que separar as águas. Realmente, só depois de estas hipóteses estarem completamente afastadas é que devemos avançar para a tese... do dilúvio. Fiquem atentos! Se virem uma barca a passar, rentinha à vossa janela, não é ninguém senão o próprio Noé, empenhado em recolher a bicharada para depois repovoar Lisboa: um casal de avestruzes, um casal de bichos-caretas...

20
Abr08

O Divórcio

condutoras de domingo

Depois de as Finanças tentarem apertar as malhas ao casamento, foi esta semana aprovada, pela esquerda parlamentar, a lei do divórcio. O Fisco, cuja dentada dói mais que a do maxilar de um pittbull, não larga o osso! É que às vezes, quem não faz uma boda faustosa, não olha a despesas para, mais tarde, comemorar o dia do divórcio.  A principal novidade do diploma é acabar com o divórcio litigioso e estipular o "divórcio por ruptura". Esta alteração veio tranquilizar as mulheres dos jogadores de futebol, a quem basta, de agora em diante, invocar a rotura de ligamentos do cônjuge para fundamentar o seu pedido. E se a lei tivesse saído há mais tempo ainda acudia a Karen Ribeiro, que, olhando à garrafeira, se poderia então divorciar de Mário Jardel alegando ruptura de stock. Mas o debate na Assembleia não foi pacífico. E o diploma que foi agora aprovado não reflecte todos os contributos e reflexões daqueles que se debruçaram sobre esta questão. Para reparar essa injustiça, as condutoras recuperam agora alguns desses contributos, que vieram das mais diferentes áreas. O cantor Toy, por exemplo, entende que o facto de se estar «estupidamente apaixonado» devia ter sido levado em consideração para agilizar o divórcio. No sector do desporto, Chalana opôs-se ao facto de a nova lei não contemplar já a noção de culpa, uma vez que pretende continuar a culpar os árbitros pelo divórcio entre os adeptos e o Benfica. Do jet-set, Maria das Dores – que no seu caso pessoal tudo fez para evitar o divórcio – queria introduzir, no diploma, uma outra figura jurídica – a marreta das obras.

20
Abr08

Avelino Ferreira Torres

condutoras de domingo

Por muito que a TVI possa colorir os enredos das suas novelas – e não nos referimos apenas a rapariguinhas indianas com pintas na testa – a realidade, pelo menos em Portugal, está acima de qualquer ficção. A barra dos tribunais é um cenário que não se gasta e o protagonista foi desta vez – e uma vez mais – Avelino Ferreira Torres.
No início do seu julgamento, o ex-autarca da Câmara do Marco de Canaveses apresentou-se em grande estilo, com um currículo que fez sensação: corrupção, extorsão, abuso de poder e peculato. De resto, já se sabe que os processos estão para a Justiça Portuguesa, como as novelas estão para a rede Globo: ambos se arrastam interminavelmente.
Mas em matéria de novelas, o Brasil continua a levar a melhor sobre o nosso país, já que é para lá que fogem os nossos melhores artistas. Depois de Fátima Felgueiras, foi a vez de José Faria, o alegado testa-de-ferro dos negócios de Avelino e testemunha-chave deste processo. Muito embora com a viagem paga para não abrir o bico, o ex-motorista resolveu, ainda assim dar um «Alô Presidente!». Segundo consta, à chegada ao Brasil, José Faria levou um valente enxerto de porrada. Para comprovar a agressão, ainda exibiu a boca desdentada ao Correio da Manhã, acto que, por si só, também deveria configurar um crime. Mal chegue a Lisboa, José Faria «vai directo ao Ministério Público», pretendendo «acabar, de uma vez por todas, com esta novela». As condutoras aguardam por cenas dos próximos capítulos.

20
Abr08

Afinal havia A Outra

condutoras de domingo
Afinal havia “A outra”...É o que apetece dizer da nova telenovela da TVI escrita por alguém que ficou conhecido por ter ganho a “Visita da Cornélia” com a mãe Tareca: Tozé Martinho. Esta telenovela está repleta de coincidências em relação à novela da Globo “Duas Caras”. Vejamos. O tema central da telenovela “A outra” envolve uma mulher que se submete a uma mudança de rosto depois de ser atacada por um leão em Moçambique. O tema central da telenovela “Duas Caras” é um homem que se submete a uma cirurgia plástica para mudar de rosto depois de dar um golpe monetário numa jovem inocente. A outra semelhança é relativa a um casal de “Duas Caras” que são novos-ricos e querem pertencer ao jet-set. A mulher chama-se Maria Eva mas insiste em ser tratada por Eva e o marido é muito fogoso. “Na outra” também há um casal de novos-ricos que querem pertencer ao Jet-set, a mulher chama-se Lúcia mas quer que lhe chamem de Lulu e o marido é muito fogoso. Mas a coincidência mais flagrante é a de que a telenovela “Duas Caras” teve para se chamar “A outra”.
Confrontado com estas coincidências Tozé Martinho respondeu que “não sabia” e que a sua telenovela é completamente diferente porque são duas actrizes que fazem o mesmo papel, enquanto que na telenovela brasileira é o mesmo actor a fazer o antes e após a cirurgia plástica... Serem duas actrizes a fazer o mesmo papel faz logo a diferença! Havendo ou não coincidências as condutoras acham que aqui há esturro. Por algum motivo o Big Boss da TVI pediu a Tozé Martinho que refizesse o argumento da telenovela. Ou José Eduardo Moniz achou que o plágio de Tozé Martinho era descarado demais ou ficou desapontado por não ser uma telenovela com a Sofia Alves a fazer de três irmãs gémeas ceguinhas e tetraplégicas que foram separadas à nascença pelo pai alcoólico, e que entretanto, fugiu para a Argentina e fez uma mudança de sexo e que reaparece anos mais tarde como a quarta gémea desaparecida...
20
Abr08

J.K. Rowling

condutoras de domingo

O «Plágio de Fogo» é um título que assentava que nem uma luva à nova aventura de J.K. Rowling. Isto porque a autora dos livros de Harry Potter moveu uma acção contra um senhor, de seu nome, Steve Vander Ark, autor de uma enciclopédia não-oficial, de cerca de 400 páginas, sobre o jovem feiticeiro. Steve, a quem sempre disseram que o saber não ocupa lugar, descobriu que afinal ocupa e numa sala de Tribunal.
A autora em questão disse-se explorada, afirmação que, posta na boca de uma mulher mais rica que a rainha de Inglaterra, causa alguma perplexidade. O que hão-de dizer então as crianças que lhe compram os livros? E qual será o próximo passo de J. K. Rowling? Processar Jorge Gabriel porque também quer ser milionário?
Além disso, a autora disse que o stress deste litígio a afectou psicologicamente e a impediu de continuar a escrever um novo romance. Uma argumentação que jamais colhia num tribunal do nosso país, onde nem mesmo um mandado de captura impede quem quer que seja de continuar a exercer um cargo político. Mas o dado mais inquietante de todo este processo foi o facto de Steve, emocionado, se ter desfeito em lágrimas, quando lhe perguntaram se ainda se considerava fã de Harry Potter. É que este senhor, que em novo há-de ter levado com uma varinha mágica na cabeça, passou os últimos nove anos da sua vida a coligir as informações para este livro. Tadinho!

20
Abr08

Viagens Presidenciais

condutoras de domingo
Depois de uma visita tão comovente a Moçambique, Aníbal e Maria Cavaco Silva rumaram à Madeira, numa viagem em que turbulência era o mínimo que se podia esperar. A tradicional sessão solene no Parlamento Regional, com que o Presidente da República deveria ter sido recebido, foi substituída por uma não menos solene e já tradicional sessão de bitaites de Alberto João Jardim. Depois do sucesso «Os Loucos de Lisboa» dos Ala dos Namorados, foi agora a vez do hit madeirense «Bando de Loucos» atingir os tops nacionais. Ao longo da semana, este tema, que Jardim dedicou aos deputados da oposição, já vendeu pelo menos 20 000 cópias na comunicação social, o que representa sem dúvida mais um êxito, a juntar à longa carreira de sucessos deste veterano. O Presidente da República é que não dançou ao som das palavras de Jardim e procurou manter-se firme e hirto, durante toda a visita! E se uma barra de ferro vinha mesmo a jeito! Mas mesmo depois daquela chuva de insultos, Cavaco preferiu dizer que trazia bonança à ilha! Tendo em conta o carácter continuado das agressões de Jardim, sempre em hora de recreio, os partidos da oposição entendem que estão a ser vítimas de bullying e queixaram-se ao presidente. No sábado, deu-se então o momento mais aguardado de todo o programa da visita presidencial: a despedida, também chamada “o fim da tormenta”. Depois desta viagem, Aníbal e Maria vão fazer um programa, mas a dois... uma visita ao Iraque... a ver se conseguem descansar.
13
Abr08

Jogo Ilegal

condutoras de domingo
A mais recente descoberta da ASAE, em termos de coisas ilegais que os portugueses adoram fazer, foram as máquinas de brindes. Sim, esses terríveis antros de perdição. Segundo a ASAE, o facto de pormos uma moeda e recebermos em troca um cãozinho de peluche ou um chocolate, fazem daquela actividade um jogo de fortuna. Bem, de fortuna não diria, porque as máquinas só aceitam moedas de cinquenta cêntimos. E não há notícia de ninguém que tenha gasto todo o ordenado a jogar. Quanto muito há miúdos que gastaram a semanada. Mas, se formos por aí, temos de considerar as batatas fritas Matutano e os Bollycaos jogos de azar, porque nunca se sabe quando vai sair o cromo ou o tazo de que se está à espera. E os cromos da Panini, então, já nem são de azar, são jogos de desgraça porque há milhões e milhões de euros enterrados em cromos repetidos. Consta que rende mais que o casino de Lisboa. No que toca a ilícitos mais adultos, as Condutoras de Domingo sugerem que a ASAE suspenda um jogo muito praticado nas grandes cidades. É o jogo da EMEL. Pomos todas as moedas que temos no parquímetro e nunca sabemos no que aquilo vai dar. Se vai ser multa, bloqueamento ou reboque. Ou se estamos com muita sorte e nada nos acontece. Se for esse o caso, o melhor é irmos logo jogar no Euromilhões e no Totoloto. Jogos seguros, que não são como essas máquinas de brindes, ou aquelas com uma pinça para alcançar peluches.
13
Abr08

Alerta Laranja

condutoras de domingo
O país tem estado, nestes últimos tempos, sob vários alertas. Muitos foram os distritos de Portugal Continental que tiveram de enfrentar, por exemplo, um alerta amarelo. Insolação? ... Icterícia? ... Sim, porque quem não estiver alertado para estes códigos às cores, usados para definir o mau tempo tem, na verdade, toda a legitimidade para colocar estas questões. E o que dizer do alerta laranja? A Madeira foi das regiões do país mais fustigadas por aguaceiros fortes e rajadas de vento. À conta disso, gramou toda a semana com um alerta laranja. Consequências previsíveis, mas ainda assim nefastas, da realização do congresso do PSD, em terras de Alberto João Jardim. Está visto! O presidente do governo regional quis fazer o congresso à porta fechada, mas não foi só a comunicação social que lhe caiu em cima. A Mãe Natureza também. Do continente, quem também lançou um alerta laranja foi Ângelo Correia, que considerou «totalmente insatisfatória a situação» do partido liderado por Luís Filipe Menezes. Fugiu-lhe a dentadura para a verdade, foi o que foi. E vamos a uma análise séria e rigorosa: mau tempo, é o estado que define, actualmente, o PSD. A Meteorologia devia abandonar os fenómenos atmosféricos e passar a ocupar-se dos fenómenos que neste partido se têm desencadeado: muita precipitação, deslizamento de ideias e um vendaval de acusações. Mas o mau tempo desta semana afectou ainda o tráfego aéreo, obrigando ao cancelamento de voos ou a desvios no curso dos aviões. A TAP não podia ter ficado mais satisfeita já que passou a ter como justificar os atrasos dos voos. Os passageiros, à seca no terminal 2, chegaram a aguardar 12 horas para poderem embarcar para a Madeira. Memórias de um dia negro na história da aviação! É que a Meteorologia não tem estados de alma, tem estados... de cor.
13
Abr08

Lisboa - Poceirão

condutoras de domingo

Qual Madalena arrependida, Mário Lino lamentou ter comparado a margem sul a um deserto. Em entrevista a Ana Lourenço, no programa Dia D, o ministro lá se foi referindo àquele fatídico dia de Maio de 2007 como um dia não. Nesse almoço, bem regado, claro está, a graçola havia de cair bem! Mas nunca o desfasamento entre uma refeição e os primeiros sinais da sua indigestão foi tão grande. Na altura, a opinião pública agitou-se de tal forma, que mais parecia um comprimido Alka-Seltzer dentro de um copo de água. Mas apesar dessa efervescência crítica, não se atacou o busílis da questão. Que teria comido Mário Lino nesse dia, ao almoço? Cogumelos? Poderia alguém, disfarçadamente, ter vertido um pozinho no seu copo? Que digestivo infame teria inspirado ao ministro essa metáfora das arábias que agora classificou de «infeliz»? E já agora, que perfume usou Ana Lourenço, nesta entrevista, para obter essa confissão do ministro das obras públicas? Ai, se arrependimento matasse... a ministra Maria de Lurdes Rodrigues estaria, provavelmente... onde está hoje: à frente do Ministério da Educação. Sim porque nessa, a palavra arrependimento... “jamé” será ouvida! Custa ver também que todos tenham preferido achincalhar o ministro, ao invés de sublinhar a sua verdadeira intenção. E essa, nem mesmo a Ana Lourenço, Mário Lino confessou. É que por detrás daquela comparação estava, na verdade, uma manobra publicitária, um golpe de marketing muito mais arrojado que o “Allgarve” de Manuel Pinho! Quando chamou deserto à margem sul, a estratégia do ministro era clara: piscar o olho à organização do Dakar! Quem sabe essa prova mítica não passaria a chamar-se Lisboa-Poceirão?

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D