Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

27
Jan08

Condução Defensiva - Maria Filomena Mónica

condutoras de domingo
Há assim uns livros que insisto em ignorar. Faço-o por apreciar ter saúde e por saber que não adianta revoltar-me por existir quem os edite e compre. No entanto, quando pessoas competentes denunciam a publicação de um livro, a obra torna-se irresistível. Num só sentido, claro: é de certeza tão má que há por ali comédia garantida. Isto aconteceu com Cesário – Um génio ignorado, de MªFilomena Mónica. Eu bem que dei de caras com o livro e dele fugi a sete pés, mas o que sobre ele escreveu Eugénio Lisboa fez com que cedesse à tentação de um verdadeiro pecado mortal: perder tempo a ler uma péssima biografia. É que Eugénio Lisboa, ao contrário de Filomena Mónica, não gasta papel à toa e muito menos se sente na obrigação de denunciar uma vergonha literária se os motivos não forem graves. E o que se passa nas páginas de Cesário – Um génio ignorado é tão grave que justifica que se fale da «indesejada e trôpega incompetência» de Mónica. A expressão é precisamente de Eugénio Lisboa, uma pessoa rara que não hesita em pôr o dedo na ferida, mesmo nos casos em que as aparências mediáticas as ocultam. Como é óbvio, Filomena Mónica acha que não tem feridas, até porque, na opinião que tem dela mesma, é linda e inteligente. Pois, eu, sempre que reparo nela, descubro uma gigantesca escara intelectual colonizada pelos piores germes, os da arrogância e da ignorância. Tranquiliza-me apenas o facto de ela própria o assumir neste livro (não percebendo que o faz, claro). Mónica admite ter escolhido biografar um poeta sem, no entanto, gostar de poesia. Ao que parece só conhecia a «Balada da Neve» e uns versos d’Os Lusíadas. Para ultrapassar isto e conseguir penetrar nos mistérios da poesia, comprou uma enciclopédia de nome sonante e, já com ela debaixo do braço, percebeu que dominar tão delicada matéria seria coisa para levar uns anos. Ora, ela não estava para isso, até porque assim o livro nunca mais sairia, um excelente plano B, sem dúvida, e também a prova de que o que lhe falta em inteligência e sensibilidade literárias sobra-lhe em esperteza saloia. E lá foi ela, loira e divina, enchendo páginas com paráfrases dos poemas do pobre Cesário, uma espécie de copy-paste de terceira categoria tão delirante e hilariante quanto deprimente. Tudo isto porque, qual Madre Teresa das Letras, sentiu o apelo divino - ela foi a escolhida para dar a conhecer aos seus contemporâneos Cesário, o poeta a quem Pessoa chamou Mestre, o poeta que determinou o rumo da poesia portuguesa do século XX. Ah, pois é, Mena Mónica descobriu a pólvora poética! E, com os livros que vender, vai conseguir estilhaçar o verdadeiro sentido da obra de Cesário. Ora digam lá se a ignorância não é mesmo uma benção nesta nossa terra das “oportunidades aos oportunistas”?!

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D