Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

09
Dez07

Sinais de Luzes - 9 Dezembro

condutoras de domingo
Máximos
Para o Governo. Para as relações que mantém com sacos. Não só azuis, mas de todas as cores: sacos de plástico em geral. Esta semana, o executivo anunciou um decreto-lei que previa uma taxa ecológica sobre os sacos de plástico usados nos supermercados. Isto para combater a sua “utilização maciça”. Muito bem. Há povos que têm armas de destruição, nós temos sacos de plástico de utilização maciça. Somos um povo claramente anti-bélico. Mas esta notícia caiu que nem bomba nas principais paróquias e centros de dia do país. E levou hordas de velhotas a invadir o Carrefour mais próximo para roubar maços de sacos de plástico, que durem até ao fim do ano. No momento em que essas mesmas idosas geriam cuidadosamente o stock de sacos e os guardavam na dispensa, eis que o governo recua! Isto é inadmissível. Não se faz. Havia inclusive senhoras que já tinham acordado negócios milionários com as vizinhas do lado: dois sacos da colecção natal do Pingo Doce em troca de um saco “descontão” do Continente. Foram milhares de trocas comerciais a vir por água abaixo! Tudo porque o governo achou que era melhor optar por medidas de sensibilização. Como por exemplo, sugerir aos consumidores que usem sacos reutilizáveis, de “papel robusto ou pano”, ou mesmo carrinhos de mão. Claro, e depois disto vem o quê? Cestos de verga? Mais um bocadinho e voltamos ao comércio medieval e ao sistema de trocas. Uma pessoa chega à caixa com um vaso de barro e pede para trocar por detergente para a roupa.

Médios
Para José Veiga. Se esta rubrica fosse patrocinada pela L’Oreal e premiasse a melhor utilização das lacas em spray, Veiga merecia Máximos, deixando a milhas de distância qualquer senhora acabada de sair do cabeleireiro. Mas aqui fala-se de literatura. Pois é, Veiga não quis ficar atrás da sua amiga Carolina e também lançou um livro. E não é uma obra qualquer. Contém revelações mais importantes que “O Segredo”, de Rhonda Byrne. O título é “Como Tornar o Benfica Campeão” e a grande questão é: se sabe como, porque é que não o fez? Porque sofre de desordem de personalidade borderline, que se caracteriza por instabilidade no humor, relações interpessoais e auto-imagem. Há uns anos, Veiga olhava ao espelho e via um respeitável Presidente da Casa do FC Porto e melhor amigo de Pinto da Costa. Meses depois via-se vestido de encarnado da cabeça aos pés. Hoje em dia, além de se sentir especialmente crítico e acintoso a respeito do SLB, teme-se que a qualquer momento se inscreva no Sporting. Mas quais são as revelações bombásticas que traz o livro afinal? Basicamente nada. Não há episódios de flatulência nem de chocolates oferecidos a árbitros. Diz-nos que Fernando Santos foi corrido do clube. E também que Luís Filipe Vieira não tem sensibilidade para o futebol e tem mudanças súbitas de opinião. Até aqui nada de novo. Mas outras acusações de Veiga levam-nos à solução de todos os problemas. Domingos Soares Oliveira, administrador da SAD, é o alvo. Ao que parece confessou a Veiga que não percebia nada de futebol e que gostava mesmo é de golfe. Aqui está a resposta! Como tornar o Benfica campeão? É fácil! Contratar Tiger Woods, convidar Soares Franco para o lugar de Vieira, mudar o rosa do equipamento para branquinho e verde, e trocar o relvado pelos greens.

  

Mínimos
Para a prostituta chilena que resolveu vender sexo por caridade. Neste caso não podemos falar num gesto bonito, mas em vários. A mulher chama-se Carolina, um nome que nos é bem familiar. Mas, se escrevesse um livro, mais depressa se chamava “Bíblia” do que “Eu, Carolina”. É que o 1º nome dela é “Maria”, o que lhe dá um espírito bem mais cristão que a congénere portuguesa. Trabalhou 27 horas seguidas e ofereceu os proveitos (pelo menos os monetários) à Fundaçao Teletón, que ajuda crianças desfavorecidas. Se a moda pega por cá, estamos feitos. Já estamos a imaginar o Banco Alimentar Contra a Fome transformado numa orgia gigante, com todas as prostitutas a fazerem questão de oferecer o seu donativo ali mesmo, no tapete rolante, por onde deslizam bolachas Maria e pacotes de arroz. Pior ainda é se a Margarida Martins, da Abraço, quer seguir o exemplo e organiza um bacanal com todos os seus amigos colunáveis, e um serviço de catering a condizer. Mas o maior problema nesta história da doação de amor à Instituição chilena é a cerimónia de entrega. Normalmente há uma grande festa, com números musicais e tudo, em que os beneméritos vêm entregar cheques e presentes às criancinhas. Maria Carolina vai entregar a sua oferta como? Ela não está familiarizada com estas coisas. Só se o director da instituição vestir uma tanga sensual e ela lhe puder enfiar notas no elástico. Ainda assim, achamos que os miúdos vão sentir falta dos palhaços.

4 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D