Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

08
Jun08

Rita Red Shoes

condutoras de domingo

No próximo domingo voltamos à estrada, e desta vez a convidada chama-se Rita Red Shoes.  A conversa vai ser sobre música, sapatos encarnados e muito mais. Vamos também passar em revista os principais acontecimentos da semana - como sempre. Das 11:00h às 13:00h na Antena 3.


 

01
Jun08

Sinais de Luzes - 1 de Junho

condutoras de domingo

Mínimos

Para o Rodrigo Guedes de Carvalho. Que veio dizer que a nova imagem do Telejornal da RTP é uma cópia descarada da SIC. Tudo começa pela predominância do laranja, cor que a RTP nunca usou e que é, como se sabe, registada pela SIC. Aliás já em 1977 a Nickelodeon pediu autorização a Balsemão para usar essa cor para o seu canal de televisão. Ele, que na altura estava na euforia da fundação do PSD, foi um mãos largas e autorizou. Mas o plágio da RTP não fica por aqui. Rodrigo Guedes de Carvalho lembra que foi na SIC que começou a surgir o logótipo em permanência, durante o jornal. O pivot deu mais provas do heroísmo da SIC: “nós tivemos a coragem de abandonar o ticker (notas em rodapé), mas usamo-lo na SIC Notícias com uma nova técnica.” E a RTP copiou essa técnica inovadora. Claro! Eles imitam até muitas outras coisas: têm um genérico inicial, computadores no estúdio, e já foram diversas vezes apanhados a dar notícias, imagine-se! Aliás, sabemos de fonte segura que este complot surgiu em 1956, quando uma série de marmanjos se juntou na Feira Popular para a emissão experimental da RTP. Isso não passou dum plágio descarado das Paradas da SIC, com alguns anos de avanço. E só não contrataram o Nuno Eiró porque ainda não era nascido. Rodrigo Guedes de Carvalho diz que a redacção da SIC ficou “boquiaberta” com estas imitações, e diz que também a TVI copia o estilo de Carnaxide. Como? Com Manuela Moura Guedes a apresentar em pé, com realidade virtual atrás. No entender de Rodrigo, uma imagem de marca do Jornal da Noite. A resposta da apresentadora da TVI não tardou: “andar a pé é uma imagem de marca do ser humano, o chamado homo erectus”, disse ela. E temos de reconhecer que Manuela não imita ninguém. As bocas de Rodrigo e Clara de Sousa, juntas, não chegam para fazer o lábio inferior de Moura Guedes.

 

 

Médios

Para todos nós. O povo de Portugal. Que fez um cordão humano pela libertação de Timor Lorosae, que participou na bandeira gigante pela organização do Euro, que pendurou bandeirinhas na janela por causa do Scolari, que fez 3 minutos de silêncio pela paz, no primeiro Rock in Rio, que comeu a maior feijoada do Mundo para inaugurar a Ponte Vasco da Gama e para mostrar que o Fairy lavava mais pratos, que caminhou pelo Túnel do Marquês para ver os azulejos… Enfim, para todos aqueles que receberam via mail ou SMS o apelo para aderirem ao boicote às gasolineiras. E que com certeza o vão cumprir. Hoje, amanhã e depois. Ninguém pode abastecer na BP, Galp e Repsol. E ninguém vai fazê-lo, porque um boicote destes pode representar uma quebra nas vendas das petrolíferas na ordem dos 13 milhões de euros. E é claro que toda a gente quer castigar esses capitalistas sem escrúpulos que andam a tirar o pão da mesa dos portugueses. Para que isso seja possível, o que é que toda a gente fez ontem? Foi encher o depósito, claro. À BP, Galp ou Repsol mais próxima, óbvio. Que o português é muito solidário, sim senhora, mas é ainda mais preguiçoso. Não vai andar mais 500 metros para abastecer na Agip, com certeza. Até porque os cafés da Galp e os pastéis de nata da BP são muito melhores. Assim, as gasolineiras não estão muito preocupadas, porque o rombo dos próximos três dias vai ser largamente compensado pela facturação de ontem. Com a subida dos preços eles tinham metido algum ao bolso, é certo. Mas com a corrida às bombas de gasolina de ontem, ganharam muito mais. É que ninguém pode fazer boicote de depósito vazio. Era o mesmo que ir hoje para Coimbra, para a festa da TVI, sem ter um cartão de sócio da selecção nacional. O verdadeiro português nunca faria uma coisa dessas.

 

 

Máximos

Para o peixe. Que tem sido o centro da vida nacional nos últimos dias. Primeiro, porque passou de coisa mal cheiorsa que se vende na lota a artigo de luxo, em três tempos. Com esta greve dos pescadores e armadores em pleno mês de Junho, os Santos Populares correm sério risco de não se realizar. Afinal de contas, com o preço do kilo de sardinha a subir dia após dia, o mais certo é que nos arraiais se comam carcaças com lagosta, que sempre vem dos viveiros e dos aquários das marisqueiras. E toda a gente sabe que sem aquele típico cheiro a sardinha assada, não há Santo António que se aguente. Mas os Santos não são os únicos a sentirem a crise do pescado. Também os restaurantes japoneses, que agora existem na razão de um por cada habitante, começam a experimentar versões de sushi com frango assado e sashimi de fiambre da perna extra. A única pessoa que se mostrou feliz com esta valorização do peixe foi Durão Barroso, que considera a alcunha de cherne mais prestigiante que nunca. Mas o peixe mais digno a pisar território português é sem dúvida o bacalhau. Podemos mesmo dizer que tem dignidade monárquica. Já que levou os Reis da Noruega a visitar o Continente do Colombo. Uma coisa era terem ido ao Pingo Doce do Restelo ou ao Supermercado do Corte Inglês… Agora, ao Continente, e ainda por cima do Colombo? O Rei Harald V visitou, em vez dos Jerónimos ou da Torre de Belém, já muito batidos, a banca do bacalhau, e prestou declarações que nunca pensámos ouvir numa visita oficial: disse estar surpreendido pela enorme variedade de peixes à venda no Continente. Frase que tanto podia ter sido dita por um monarca norueguês como por uma dona de casa da Damaia.

01
Jun08

Hoje Devia Fazer Anos

condutoras de domingo

Hoje devia fazer anos o Professor Bambo. Ele que se apresenta como “o mais reconhecido e proeminente médium vidente em Portugal, pela sua capacidade em resolver casos difíceis e inexplicáveis”. Espera-se então que seja mesmo. Para resolver o difícil e inexplicável caso em que se meteu esta semana. Foi detido por suspeita de extorsão e violação. É caso para dizer: em casa de pedreiro, espeto de pau. Então uma pessoa que adivinha o futuro das outras não conseguiu prever que a curto prazo a PSP ia ao seu escritório vasculhar os documentos? E que a médio prazo o ia pôr com termo de identidade e residência? Professor Bambo está a perder o dom. Isso é profundamente triste. É tão comovente como ver Antímio de Azevedo apanhar uma molha porque não previu que ia haver aguaceiros, ou ver o Dr. House padecer do estômago porque não percebeu que tinha uma gastroenterite. Não podíamos ficar indiferentes a um drama destes e por isso organizámos uma festa de aniversário para o vidente senegalês. Trouxemos bolo, alguns presentes e vários convidados. Entre os quais, pessoas que se queixam de ter dado mais de 17 mil euros para o professor Bambo resolver problemas que ele próprio inventou. Como um marido infiel que na verdade não tinha nenhuma amante, ou um negócio em perigo que afinal até prosperava. Bambo é, acima de tudo, um criativo. E merece por isso todo o nosso respeito. Muitos parabéns, professor!

01
Jun08

Estação de Serviço - Dia da Criança

condutoras de domingo

Hoje é dia da criança e, como tal, eu não podia deixar de promover aqui um desvio até ao Toys R Us. A ver se me calha alguma coisa… Só não sei qual dos corredores hei de escolher… Gosto da designação “Figuras de Acção e Similares”, bem como “Peluches e Similares”. Não gosto especialmente de ursos fofinhos nem de Pokemons, mas adoro similares. Sempre gostei, no Natal o meu irmão pedia brinquedos, eu só queria similares… Acabei por me decidir pelo corredor da “Imitação do Lar e do Meio”. Aqui as crianças podem começar a preparar-se para aquilo que será a sua vida daqui a uns anos. Para as meninas há um kit de beleza em movimento, caso optem pela carreira de esposa de futebolista, que vai atrás do marido para Viseu, para a Suiça ou para Los Angeles, sempre com blush e rímel à mão de semear. Há também um set de cabeleireiro, para quem opte pela carreira Maria João Savioti, ou uma mala de Festa Instantânea, para quem se identifique mais com a Maya.Há também um carrinho de limpeza e aspirador, com balde, vassoura e esfregão tão bem reproduzidos que acho que as mães vão poder despedir as empregadas e pôr as filhas a fazer a lida da casa. Basta que tenham mais de 3 anos. Por 14.99€ apenas podemos comprar um set de comidinhas com 120 peças, que dá jeito em tempo de crise. Inclui ovos, pernas de frango, salsichas. Com aquele pequeno inconveniente de serem em plástico, mas isso… é a matéria-prima mais comum por estes lados. Os rapazes com certeza que vão adorar uma cara e uns abdominais de borracha, a imitar o Fantastic4, um fato com músculos insufláveis do Super Homem, e umas mãos e pés gigantes. Afinal de contas o que eles mais farão ao longo da vida é preocupar-se com dimensões anatómicas. Para quem veja nessa preocupação um futuro profissional o pequeno fato de cowboy pode ser uma compra útil. Bem, mas esta coisa dos brinquedos servirem todos para brincar aos adultos cansa um bocado. Eu queria encontrar um sítio onde os adultos brincassem às crianças. E para isso, nada melhor que a Feira do Livro. Depois da Leya e da APEL terem brincado aos Pequenos Gladiadores Americanos, chegam as estafetas por entre barraquinhas às cores, e a prova do lançamento. Não do disco, mas do livro. Hoje às 4 da tarde vai ser lançado o Livro A Verdadeira História do Areias, o camelo com duas bossas e muito pêlo. Estamos ansiosos por conhecer a biografia deste animal. Que ganhou vida na música graças a uma senhora que, mesmo adulta, manteve nome de boneca de plástico – Suzi Paula. Fica aqui a minha homenagem ao Areias, uma referência no panorama político nacional. Reparem que ele “diz com o ar mais superior que só lhe falta ser doutor e acha que é de entre todos o mais belo”. Um perfil exactamente igual ao do nosso primeiro-ministro.

01
Jun08

Tatuagens Infantis

condutoras de domingo

Como se não bastassem a dependência das playstations, os Tokyo Hotel e as sessões de strip-tease à frente de webcams, a troco de um carregamento de dez euros no telemóvel, os pais portugueses devem agora adicionar, à sua lista de preocupações com os filhos, as tatuagens temporárias de henna. O alerta é feito por dermatologistas que afirmam que estas tatuagens têm uma substância perigosa que, em contacto com a pele, pode tornar as crianças alérgicas a roupas, filtros solares e até a medicamentos. E estas alergias podem marcar para toda a vida. Que o diga Soraia Chaves, cuja alergia gravíssima à roupa a tem levado a despir-se no cinema. Mas não são estes os únicos perigos que as tatuagens representam. Uma tatuagem temporária, na infância, leva a tatuagens permanentes, na vida adulta, muitas vezes associadas a distúrbios graves de personalidade. José Malhoa foi com certeza um pai negligente que ignorou todos os sinais de alerta, deixando que a sua filha, Ana Malhoa, fosse fazendo tatuagens e se transformasse num cromo de todo o tamanho. O que mais assusta, no entanto, é pensar em todas as outras coisas que prejudicam a saúde das crianças e que ainda não foram estudadas. A Ciência ainda há-de relacionar as causas da obesidade infantil com a ingestão abusiva de episódios dos Morangos com Açúcar.
 

01
Jun08

Maxime Bernier

condutoras de domingo

Para quem vive em Portugal, sempre é reconfortante saber que também em países ditos civilizados há políticos irresponsáveis. Maxime Bernier, o Ministro dos Negócios Estrangeiros do Canadá – e, pelos vistos, o homólogo do nosso ministro Manuel Pinho em matéria de bronca – apresentou recentemente a sua demissão do cargo depois de ter admitido que deixou documentos confidenciais em casa da ex-namorada. 
Pior, claro, só se tivesse perdido a escova de dentes e umas peúgas. Por cá, temos apenas políticos que, com muita facilidade, perdem as estribeiras – como Alberto João Jardim – e políticos que perderam claramente a vergonha, ao puxar de um cigarro no avião.  À partida, e desde que a ex-namorada do ministro do Canadá não se chamasse Carolina Salgado, o homem podia até nem estar em apuros. Mas parece que também esta senhora tem um passado amoroso em que alternaram vários homens ligados ao crime organizado, o que dá ao caso contornos de espionagem. E se o que está em causa é a segurança do país, a recomendação que fazemos daqui ao ministro do Canadá é que siga o exemplo do nosso ex-ministro da Defesa, Paulo Portas, que tratou de fotocopiar documentos classificados, certamente para não os perder... de vista!
 

01
Jun08

Está a Falar de Quê? - Rock in Rio

condutoras de domingo

Está aí o Rock in Rio. E com ele chegam as exigências dos artistas. Porque pop star que se preze tem de ter mais desejos que uma grávida no oitavo mês de gestação. Amy Winehouse, fazendo jus ao nome, pediu vinho de francês de quatro colheitas diferentes, e canecas de porcelana chinesa. Assim como assim, ela está sempre perdida no mapa, portanto se for vinho chinês e canecas francesas com desenhos da torre Eiffel também não vai estranhar. A artista que a antecedeu no palco Mundo, Ivete Sangalo, pediu 100 peças de sashimi e 130 brigadeiros. Calculamos que tenha sido difícil “levantar poeira” depois dessa refeição. Quem tenciona com certeza roubar alguns brigadeiros a Ivete é Alejandro Sanz, que exigiu uma casa-de-banho privada. Mais resistentes são os Tokio Hotel, cuja alimentação será à base de bolos, chocolates, bombons e gummybears. Sim, aquelas gomas que comemos pela última vez no nosso 6º aniversário. O grupo exigiu também um camarim longe dos restantes. É a lógica dos casamentos. Há a mesa dos crescidos e depois uma para os pequeninos. Felizmente as mães que penteiam os filhos para levar à boda não são tão ousadas como a mãe do vocalista.

 

 

 

 

Na mesa dos seniores estará certamente Bon Jovi. Ainda bem que já não há fãs vivos da banda, senão iam ficar preocupados. É que Jon Bom Jovi exigiu comida sem glúten e canja de galinha. E isto é menu que nem no Hospital da Estefânia tem muita saída. Lenny Kravitz pediu apenas menus de restaurantes para encomendar comida. Por isso, trabalhadores da Telepizza: se receberem um telefonema dum Lenny a dizer que quer extraqueijo, não desliguem, não é partida. Pediu também contentores para separação de lixo no camarim. Portanto depois do concerto Kravitz e a sua comitiva andarão vestidos de azul, verde e amarelo, a reproduzir anúncios do Ecoponto, e a dizer em português macarrónico “faz-me esta gentileza, fazes?”. Vão ter de se desviar dos remates de Rod Stewart. Porque uma pessoa que pede 24 bolas de futebol de certeza que não tem muita pontaria. Os Orishas pedem toalhas de mão preta, águas Evian e Perrier e uma garrafa de rum Havana Club com 7 anos. Ainda bem que Michael Jackson não faz parte do cartaz, porque o artigo de sete anos que ele costuma desejar ia levantar problemas à organização. Quem fez bem no meio disto tudo foram os brasileiros Skank. Pediram cerveja Sagres e pastilhas de menta. Nota-se que sabem como é a vida dura das favelas. Os Muse são contraditórios: não querem nada de plástico nos camarins mas exigem duas escovas de dentes. O que levanta 2 problemas: 1º - - os artesãos portugueses já devem estar a fabricar escovas de dentes em madeira, 2º - um problema de higiene pessoal de um dos membros da banda, já que eles são três.

 

 

Os Muse vão estar entretidos a cozinhar no camarim: pediram ingredientes crus para fazerem as suas refeições. É impressão nossa ou o Parque da Bela Vista vai tornar-se numa espécie de Parque da Campismo da Costa da Caparica, onde a malta faz grandes churrascadas e deita o fumo do entrecosto para cima das roulotes vizinhas? Quem não vai achar graça são os Kaiser Chiefs, que querem apreciar a sua água vulcânica Figi em paz. Mas quem me faz mais confusão são os durões do Festival. A malta da pesada é afinal uma grande farsa. Os Metallica só querem produtos orgânicos. Umas meninas autênticas, com medo dos edulcorantes. Ai trash metal e tal, mas depois têm medo do E312. Para que nada fuja ao previsto, trazem também dois chefes de cozinha. Fazem lembrar os miúdos que não comem nada no refeitório, por estranharem comida que não é feita pela mãe. Os Apocalyptica fazem parte da mesma turma: tem de ser tudo cozinhado com azeite, nada de manteiga. Que lá por serem do heavy metal não quer dizer que não se preocupem com o colesterol. Aliás, são até pessoas bastante doentes. Não pode haver vestígios de nozes nos camarins, porque um deles é alérgico. Esperemos que os móveis não sejam feitos em nogueira. Os rebeldes Offspring querem um galo de Barcelos. Quer dizer, eles não sabem, mas querem. Pediram um souvenir local, e está visto que Roberta Medina os vai empandeirar com um galo. Percebemos agora a que se deve a música “Breaking the habit” dos Linkin Park. Eles não querem bebidas alcoólicas e proibiram o fumo no backstage. Esperemos que Sócrates não queira ir lá pedir um autógrafo. Por falar nisso… Anda tudo concentrada nas exigências das bandas internacionais, e ninguém foi averiguar o que pedem os artistas portugueses. Fomos nós. E descobrimos que andam a ser maltratados. Alberto Ferreira Paulo – mais conhecido por Paulo Gonzo, disse que só actuava se tivesse uma TV no camarim a transmitir novelas da TVI em loop. A organização disse que não podia ser. Ele reconsiderou durante… 2 segundos, e disse que não fazia mal. Actuava na mesma. Pediu só aos senhores para o deixarem tocar mais de 2 músicas. Os 4Taste, as DoceMania e as Just Girls pediram todos o mesmo: alguém que soubesse cantar e que subisse ao palco por eles. A organização mais uma vez não acedeu ao pedido. Disse-lhes que quanto muito, podiam ficar com uns restos das gomas dos Tokio Hotel. Ricardo Azevedo pediu que em vez dum camarim lhe dessem um pequeno T2, João Gil pediu uma Catarina Furtado, vestida por Nuno Baltazar. Afinal de contas, se pôde ir para a Cova da Moura também podia dar um saltinho a Chelas. Nenhum destes pedidos foi atendido. Não acarinham os artistas nacionais, é triste.

 

01
Jun08

Destravados - Andrew Kellet

condutoras de domingo

Esta semana, nem precisámos de encostar o carro à berma para ver o nosso Destravado. Tudo porque o eleito de hoje está em todo o lado. Não, ainda não foi desta que elegemos Deus como Destravado – talvez se um dia nos mudarmos para a Rádio Renascença, quem sabe. Estamos, isso sim, a falar de Andrew Kellet, um jovem que está em todo o lado porque percebe de marketing como poucos. Kellet usou a ferramenta da moda, o You Tube, para mostrar os seus dotes. Parece-nos lógico: já existem cantores, actores, realizadores, desportistas e até fãs chorosos da Britney que foram revelados por vídeos do referido site.
Só que a especialidade deste britânico não é bem cantar Celine Dion com a escova a fazer de microfone e um quarto foleiro a fazer de casino de Las Vegas. A sua opção artística é mais... praticar crimes. Ao todo, Andrew Kellet colocou no You Tube 80 vídeos seus a praticar as mais variadas ilegalidades, de pequenos roubos em bombas de gasolina a excessos de velocidade. Conseguiu, assim, ganhar o Prémio Revelação – porque, citando a policia, ele revelou-se O Criminoso Mais Estúpido de Sempre. É bonito ver alguém tão jovem entrar já para a estratosfera da história do crime mundial. É destas coisas que os sonhos são feitos.
Quem não viu a beleza deste momento de consagração foi o Juiz, que o proibiu de colocar mais vídeos no You Tube. Desagradado, Andrew Kellet já prometeu recorrer da decisão, dizendo que se trata de uma restrição à sua liberdade de expressão.
Também concordamos. Se os Santos E Pecadores podem andar para aí a editar discos – isso sim, um crime - porque é que o pobre rapaz não pode filmar-se a fugir de uma bomba de gasolina sem pagar? Afinal, ele está a fazer aquilo que todos os portugueses farão eventualmente, quando o litro de gasolina tiver de ser pago com diamantes e hipotecas.
 

01
Jun08

Horóscopo - Scolari

condutoras de domingo

«ÀS VEZES, PENSO: E SE EU ME DEDICASSE À VINICULTURA QUEM ME APOIARIA?».
Desde que ouviram esta frase, os astros não fazem outra coisa que não seja andarem em cuidado com Luiz Felipe Scolari. Em primeiro lugar porque, em época de grande stress, Felipão admite pensar apenas “às vezes”.
Caro Mister, este não é o momento ideal para fazer pausas no pensamento! Deixe esses luxos para os adjuntos, tome umas boas doses de magnésio e ponha esse cérebro a trabalhar ao ralenti. Resista a essa força ambiciosa e poderosa que o quer afundar nos terrenos lamacentos e pantanosos das confusões! Você tem que ser firme. Não permita que as suas dúvidas sejam vistas à transparência. É demasiado notório que se sente algo perdido no campo profissional. Por isso, várias vezes ao dia, repita com os astros: «Eu sou o seleccionador nacional e a vinicultura não me interessa.» Outra vez, vá: «Eu sou o seleccionador nacional e a vinicultura não me interessa.» Mais calmo? Mais esclarecido? Mais convencido de que uma uva, apesar de redonda, não é um esférico? Se a resposta é afirmativa, concentre-se na sua verdadeira missão, pelo menos durante o próximo mês, e ponha de lado a ambição de ser um Leonardo Da Vinci dos tempos modernos. Com um país inteiro a apoiá-lo no papel de treinador dos craques nacionais, não faz sentido andar a tentar fazer uma perninha noutro ramo de actividade. E muito menos assumi-lo na televisão. Os portugueses, como bem devia saber, não perdoam deslizes e ficarão muito ofendidos se insistir em levar até ao fim esta sua demanda por uma outra fonte de rendimento. Ligue para o Brasil e peça a familiares e amigos que lhe enviem os manuais escolares dos seus tempos da primária. Releia-os com toda a atenção para perceber quão importante é a vinicultura neste nosso querido Portugal – o mesmo que o tem acolhido como se você, Felipão, fosse um irmão. Não caia na tentação de trair esse forte sentimento. Lembre-se de que a palavra de ordem é humildade, coisa tão condizente com o seu farto bigode. Deixe lá isso da vinicultura, que escolher as melhores uvas é bem pior do que escolher esse verdadeiro cacho chamado Miguel Veloso em detrimento do fruto lustroso que vive em Maniche. Até porque, caro Luiz Felipe, não é preciso ser astrólogo para saber a resposta à sua pergunta: quem é que o apoiaria se você se dedicasse à vinicultura? Ninguém! Força, Portugal!
 

01
Jun08

O Que é Nacional é Bonzinho - Alfaiates

condutoras de domingo

No território nacional, há várias espécies em vias de extinção: do cachalote dos Açores ao pombo-trocaz da Madeira; do lince da Serra da Malcata ao lobo ibérico do Norte do país; da águia real do Noroeste aos alfaiates de toda a Nação. Este último caso inspira particular cuidado. Têm sido feitas inúmeras prospecções e saídas de campo com o objectico de avistar comunidades de mestres alfaiates nos seus habitats naturais; o país tem sido percorrido de Norte a Sul e apenas em Belmonte, há cerca de uma semana, foi possível detectar um pequeno ajuntamento deles. O fenómeno, qual milagre, aconteceu no 19.º Encontro de Mestres Alfaiates - uma iniciativa que pode extinguir-se mais depressa do que a própria arte da alfaiataria. O cenário é catastrófico e encosta a um canto o aquecimento global. Quem prevê tão triste destino para o universo dos alfaiates nacionais é Carlos Godinho, o homem, aliás, o herói,autorizado por 46 anos de viagens no comércio de tecidos, que conseguiu juntar 60 mestres. Se pensarmos que são cerca de 2000 os profissionais da área, a comunidade reunida representa cerca de 3%, uma amostra válida, sem dúvida, por estarmos a falar de uma espécie em vias de extinção. Mas a sentença não é animadora. Acrescenta Carlos Godinho que «os alfaiates mais novos devem ter uns 40 anos. Por isso, eu digo: daqui a uns 20 anos já não há alfaiates em Portugal.» E eu digo: vamos pôr um travão nisto! Começando por perceber de quem é a culpa. Não é difícil: como qualquer espécie ameaçada, também os alfaiates são vítimas do homem. Neste caso, do homem com “h” pequeno, os seres do sexo masculino que, em vez de pagarem 1000 euros por um fato à medida, pagam 100 por uma vestimenta da Zara que, depois do baile do casamento, vai directa para o lixo porque nem na lavandaria lhe conseguem arrancar o cheiro a suor. Mas há mais: o grande culpado é o homem com um “h” tão pequenino que é só um: o chefe do Governo. Por um lado, espezinha os alfaiates nacionais ostentando elegantes fatos Hugo Boss; por outro, nunca criou escolas para ensinar a arte, nunca criou um estatuto para os alfaiates e ainda os sobrecarregou com impostos. Ou seja, Sócrates é, para os alfaiates, aquilo que a China é para o ar puro. Corrompe-os, sufoca-os, aniquila-os. Mas nós, condutoras de Domingo, sempre solidárias, juntamo-nos a esta causa. Não vamos organizar um festival, um Live Aid com o lema «salvem os mestres alfaiates», mas vamos repetir bem alto uma frase de Carlos Godinho capaz de acabar com este massacre. Ouça bem, engenheiro Sócrates: «Os alfaiates transformam um corpo mal feito numa obra de arte.» Lembre-se disto sempre que o assaltar uma vontade louca de aparecer numa anúncio da Vanity Fair, e prove que em breve vamos poder voltar a dizer: «É este o tempo em que toda a gente tem o seu fatinho!»

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D