Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

29
Jun08

Condução Defensiva - Zézé Camarinha

condutoras de domingo

É a notícia do Verão: Zézé Camarinha retira-se das praias algarvias e não deixa sucessores. Assim se extingue uma raça: o macho man português. Para assinalar esta catástrofe sem par no universo amoroso-erótico, foi lançada a autobiografia deste predador das areias do Sul de Portugal, deste homem que já partilhou o seu leito de paixão com quase 2000 mulheres: Zézé Camarinha – O último macho man português. Como notaria qualquer professor catedrático interessado em problemáticas intimistas e de auto-representação, o eu que nesta autobiografia se dá a conhecer toma-se a si mesmo como campo de análise, mas escapando para uma ficção sua, em que o eu é já um outro, mais profundo e maior. Deste modo, surgem neste livro não apenas as aventuras auto-elogiosas de Zézé Camarinha, como também os inúmeros safaris amorosos de Mr. Johny of the Moustache from Praia da Rocha ou os elogios que são atirados por pares de inglesas platinadas ao excelentíssimo “Linguinha d’Ouro”. Ao lermos as páginas desta obra, descobrimos que o melhor do macho lusitano é sem dúvida o pior do homem português, um ser capaz de desfiar memórias com uma sinceridade desarmante que lhe retira toda a sensatez supostamente adquirida no fim de uma carreira brilhante. Por exemplo, Camarinha é o tipo de machão capaz de assumir, em plena retirada dos areais onde deixava as bifas doidas quando fazia «alongamentos, pinos e esparregatas», que «quando não conseguir levantar o pessegueiro», vai recorrer «ao Viagra». E remata: «Vergonha? Vergonha é roubar e não conseguir fugir!». Ora aí está o espírito honesto e inventivo que se esconde por detrás de um par de óculos bem escuros. Sem ele nenhuma mulher do planeta teria descoberto o prazer, pois, como ele próprio assume a páginas tantas, «antes de se terem lembrado que as mulheres podiam ir à tropa, comigo já elas marchavam todas.» São estas as memórias que ajudam Camarinha a reconstituir o seu passado como um puzzle sem peças perdidas, onde tudo encaixa na perfeição, permitindo-lhe ter resposta para o maior mistério da humanidade. Ora vejam: «Quem sou eu? Sou o último dos machos latinos, que tem o sangue de macho a escorrer nas veias, que sente orgulho em satisfazer as tão necessitadas mulheres que lhe chegam de todo o mundo!» E continua, desvendando os mistérios da sua identidade: «Eu na outra reencarnação devo ter sido penso isofrénico, daqueles da Evax ou da Insónia, pois adoro andar entre as pernas das mulheres!» Felizmente, mesmo na hora da despedida, Camarinha reitera o seu desprezo pelas portuguesas. Está farto de nós. Não faz mal. Como reconhece, ele também já não dá – e cito - «dez seguidas como antigamente!» Retira-se dos areias para explorar o mercado erótico dos bares e deixa um último desejo: «Quando morrer quero que o meu pénis seja embalsamado e cremado, e que as cinzas sejam espalhadas pelas praias do Algarve de Lagos a Faro! Deste modo as praias serão purificadas porque haverá cinza suficiente!»

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D