Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

22
Jun08

Sinais de Luzes - 22 de Junho

condutoras de domingo

Mínimos

Para o Benfica. Que depois de enviar cartas para a UEFA, ligar para Michel Platini, escrever no livro de reclamações, fazer a dança da chuva, praticar técnicas de voodoo com uma fotografia de Pinto da Costa, fazer queixa à CMVM, à ASAE, à DREL, à Associação de Apoio à Vítima, a todas as instâncias do futebol, da justiça, da humanidade em geral e do desporto em particular… viu o Futebol Clube do Porto ser readmitido na Liga dos Campeões. E, se até aqui, o clube de Lisboa estava apenas a fazer o papel de miúdo queixinhas, que passa o recreio todo a apontar o dedo aos outros meninos e a pedir às vigilantes para os porem de castigo… Agora ascendeu a outro patamar, dentro desse grande pátio de escola que é a Liga Portuguesa de Futebol. Perante a readmissão dos portistas na Champions, o que fez o Benfica? Resignou-se ao lugar que conquistou, com muito suor e algumas lágrimas, na Taça UEFA? Não, nada disso. Continuou a sua batalha, incansável. Veio pedir uma indemnização de 30 milhões de euros à Federação, pelo facto de não ir à Liga dos Campeões na vaga deixada pelo Porto. É que, parecendo que não, sofreram danos irreversíveis nestes dias, em que sonharam com um lugar na grande montra do futebol europeu. De repente o clube da Luz passou de queixinhas do recreio a cromo da turma. Aquele que está sempre na primeira fila e oferece maçãs à professora, em troca de más notas para todos os colegas que gozam com ele, e lhe colam autocolantes nas costas. Mas é escusado todo este desespero por não estarem na principal competição europeia. É que com tanto alarido, nem repararam que entram numa outra prova de prestígio internacional. Chama-se “a caça ao ex-dirigente”, e Vale e Azevedo já está até a ser procurado pela Interpol. Nenhum outro clube português pode sequer sonhar em atingir este nível.

 

Médios

Para O Segredo. Porque um livro que baseia as suas centenas de páginas numa máxima tipo “querer é poder”, merece a nossa vénia. Veio abrir novos horizontes na literatura de auto-ajuda, que pode agora vir a conhecer volumes baseados em verdades proverbiais como “em terra de cegos quem tem um olho é rei” ou “quem corre por gosto não cansa”. O Segredo é o melhor livro publicado nos últimos tempos. Afinal de contas 12 milhões de pessoas que já o leram, em todo o mundo, não podem estar enganadas. Ou será que podem? A Oprah Winfrey não ia apoiar uma obra que não fosse digna de Nobel. Ou será que ia? Um dos autores, Bob Proctor, lançou a pergunta: “porque é que acha que 1% da população mundial ganha 96% de toda a riqueza criada? Houve um plano para que assim fosse. Eles percebem o segredo, e agora é você que o vai descobrir”. E foram mesmo. Sete mil portugueses foram ouvir este senhor falar no Pavilhão Atlântico. Como se não bastasse o dinheiro que gastaram no DVD e no livro, ainda foram ver o Segredo ao vivo. Como se fosse uma banda rock. Como se a explicação da “Lei da Atracção” saísse favorecida com uma coreografia e jogo de luzes. A própria apresentadora foi seleccionada por estar na posse do Segredo. Rita Mendes já tinha lido o livro e não tem dúvida que o convite surgiu como resultado da Lei da Atracção. É que ela queria tanto, mas tanto, apresentar este grandioso evento, que acabaram mesmo por lhe ligar a convidar, quando Teresa Guilherme se baldou à última hora. Isto é O Segredo em acção, senhoras e senhores! Aquele pormenor de Rita Mendes já trabalhar como assessora de imprensa na organização não interessa nada!

 

Máximos

Para o milagre do sistema de ensino nacional. Em tempos houve quem tenha assistido ao milagre da multiplicação dos pães. Nós hoje temos oportunidade de testemunhar o milagre da multiplicação das boas notas entre os alunos portugueses. É que os resultados das provas de aferição de Português e Matemática passaram de péssimos, no ano passado, a excelentes, este ano. Há menos de metade das negativas. O que para a Ministra da Educação, é um claro sinal de sucesso, e para os professores é prova de facilitismo. Por exemplo, na prova de matemática do 6º ano, saiu a seguinte pergunta: “qual a raiz quadrada de 100?”. Tendo em conta que isto corresponde a dois toques numa máquina de calcular… talvez não seja preciso dominar a matéria para saber responder. Maria de Lurdes Rodrigues considera que os portugueses são todos uns pessimistas, que deviam estar contentes com este claro progresso. E pergunta, em sua defesa: "Só 5% dos alunos consegue resolver a totalidade da prova, isso diz-nos alguma coisa, não?". Claro que diz! Diz que para o ano tem que aumentar a duração dos testes. Quatro horas no mínimo, para dar tempo à criançada de acabar. O Ministério recorreu a um velho truque, típico dos alunos, mas caiu na mesma esparrela que os miúdos. É a clássica história de roubar o enunciado antes do teste, e levar as perguntas todas de casa. Toda a gente abusa da sorte e não erra sequer uma alínea para disfarçar. Se for preciso, o 9º D, pior turma da escola, passa de repente a ter uma média de 20 valores. E quando a esmola é grande, o pobre desconfia… Já deviam saber que isto nunca resulta. Será que a malta do ministério não aprendeu nada na escola?

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D