Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

15
Jun08

Está a Falar de Quê? - Clara Pinto Correia

condutoras de domingo

Uma coisa é certa: Clara Pinto Correia tinha alguma razão quando há uns anos atrás resolveu plagiar artigos da New Yorker. É que é bem mais seguro repetir palavras dos outros do que produzir as suas. Na sua crónica semanal no 24Horas, a quem Clara chama de “simpático pasquim”, é costume ver histórias indecifráveis. Desta vez foi bem explícita. Talvez até demais. O título é prometedor: Erros meus, má fortuna, palavra ardente. Por um lado, há a clara alusão ao poema de Camões, por outro, essa coisa inédita que é ver Clara Pinto Correia admitir um erro. Ela, que ainda hoje diz que não plagiou nada, e ainda acha que fez uma óptima figura no Dança Comigo, e que provavelmente o Marco di Camilis teve má vontade em não a passar à final. Esta crónica é um pedido de desculpas. A Rui Rio, a quem a autora chamou brutamontes numa edição anterior. Clara Pinto Correia diz “há alturas em que, por muito boa que seja a intenção” a pessoa devia era ficar quieta” – lá está, que pena não se ter lembrado disto antes de dançar o tango. Confessa que brutamontes é o adjectivo mais ridículo. Acrescentando que também usou outros do mesmo calibre: reles, baixo astral, retorcido, com mau fundo… Aquilo a que Clara chama “uma série de tonterias que eu costumo achar não ser próprio das pessoas bem formadas andarem a chamar-se umas às outras, e sem as quais o mundo seria um lugar melhor”. Uma justificação no mínimo… complicada. Mas Clara continua, imparável, e diz “adjectivo e advérbio de modo correctos: eu estava endemoninhada”. Enraivecida, diríamos nós. Endemoninhada, diz Clara, com vontade de provar como é eloquente. Eloquente digo eu. Diserta ou Facunda diria ela. Mas Clara está ciente de que tem um problema. “É o prazer que me dá o uso de adjectivos e advérbios de modo”, diz ela. Procura sempre os melhores e não sabe onde tinha a cabeça para usar um mero “brutamontes”. Para se redimir, escreve: “aquele brutamontes aterrou na crónica com tanta pertinência como estropiado, liquefeito ou mesmo andrógino”. Parece-me óbvio que Clara abriu o dicionário em páginas aleatórias para demonstrar a sua habilidade com as palavras. E volta a dar-nos motivos muito convincentes para a sua falha: 1º - quando escreveu estava com pressa e devia ter outra coisa urgente para fazer, coisa normal nas vidas frenéticas que todos levamos, diz ela. Em 2º lugar, e isto sim, chega a comover-me, Clara diz que sacudiu mal o saco dos adjectivos e tirou de lá um que não servia. É uma coisa que acontece imenso. Eu vou agora sacudir o meu próprio saquinho e ver o que sai de lá sobre esta crónica: hmm… deixa cá ver… Já está. Ligeiramente parva. Ou num vocabulário mais conforme a Clara Pinto Correia: apoucada de juízo.

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D