Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

21
Out07

Caso Passerelle

condutoras de domingo
Este país está perdido quando percebemos que os bons costumes já não chegam nem às casas de strip. Começou esta semana a ser julgado em Portugal o “Caso Passerelle”, que visa determinar se existiam ou não emigrantes ilegais a passear-se em roupa interior em frente a homens de mãos nos bolsos ... e se estas meninas se dedicavam ou não a fazer uns biscates na mais velha profissão do mundo.
No fundo, este julgamento serve também para percebermos quantas profissionais do Passerelle vão acabar ainda a escrever livros e a adaptá-los para o cinema. É que para cada dirigente desportivo a pedir colinho há um realizador de cinema a precisar de histórias. E ambas estas espécies parecem gostar muito de modelos... de Passarelle.
Vítor Trindade, um dos donos destas casas nocturnas, explicou que não sabia que as emigrantes que ia buscar ao Brasil ou ao Leste eram ilegais. Diz ele se que limitava a pagar-lhes umas viagens de férias até Portugal e que as moças acabavam por ficar – isto sem nunca tratarem do devido visto. Ora estamos apenas perante um bom homem, de coração puro e benemérito, que está a ser injustiçado! Vítor Trindade limitava-se a trazê-las cá para visitarem monumentos como os Jerónimos, o Oceanário ou o Colombo! Tinha lá culpa que elas acabassem por ficar! Se bem que o incauto senhor devia ter desconfiado assim que começou a reparar que o monumento preferido destas turistas era a estátua do Cutileiro ali no Parque Eduardo Sétimo. Trindade revelou também que as raparigas só estavam contratadas para dançar. Se elas, depois, decidiam fazer uns extrazinhos... isso ele já não podia controlar. De facto, é difícil. Especialmente quando o extrazinho acontece mesmo à frente dos olhos e ainda vai parar ao bolso uma parte em comissão. Há que esclarecer que, quando Vítor Trindade se refere a “extras” se está a referir a uma actividade muito específica: a fazer umas bolhinhas com a boca, quais Nenucos, por assim dizer. Conta o senhor Vítor que isto era apenas para terem mais uns trocos e para se destacarem das suas rivais de varão. Uma luta titânica entre colegiais e enfermeiras, tudo ao som do Joe Cocker a cantar aquela cantiga do “9 Semanas e Meia”. E até compreendemos que é de facto uma maneira mais prática de arranjar dinheiro do que fazendo aqueles créditos por telefone. Esses créditos rápidos têm umas condições de pagamento muito agressivas, que às vezes incluem mesmo ser-se obrigado a ir à praia e fazer piqueniques com gigantescos porcos cor-de-rosa. Uma chatice. Já esta forma de crédito é rápida, prática e os danos colaterais resolvem-se com uma pastilha elástica de mentol. Apesar desta revelação, o empresário da noite repudia e recusa veemente a ideia de haver prostituição no Passerelle. Aquilo eram só raparigas a dançar e a tirar roupa enquanto os clientes as observavam. Agora parece é que havia clientes que iam para lá olhar para as strippers mas que deviam era ver como os espanhóis – com as mãos, portanto. E com outras partes do corpo também.

1 comentário

Comentar post

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D