Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Condutoras de Domingo

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Elas em contramão, sempre a abrir, pelos acontecimentos da semana.

Condutoras de Domingo

30
Mar08

Choque Frontal - Casamentos

condutoras de domingo
Já bastava, para dar conta de qualquer vontade de casar, a ideia romântica de ter de gramar para o resto da vida com tipos que passam de giros e entroncados, a peludos, barrigudos e preguiçoso, em apenas duas semanas de casado. Mas, eis que as Finanças arranjam mais um motivo para desencorajar os apaixonados: a partir de agora, as cerimónias vão ser fiscalizadas e ai de quem não tiver factura. Desde o bolo da noiva àqueles sabonetes de glicerina com um pau de baunilha em cima a fazer chique para dar aos convidados, das echarpes em seda selvagem das tias ao velhote que conduz a charrete, tudo tem de ser declarado ao Fisco pelos noivos. Se não o fizerem, o melhor é não voltarem da Lua de Mel, pois arriscam-se a não ter dinheiro para a multa e, assim como assim, é mais divertido ser-se procurado pela polícia em Porto Galinhas ou Maceió, que o diga a Fátima Felgueiras. Isto é, na verdade, todo um desbravar de novos caminhos para o romantismo. Em vez de se procurar um rapaz que seja sincero, trabalhador e que “nos faça rir”, só temos que nos preocupar com um que não tenha os impostos em atraso. E na hora do pedido de casamento, em vez de um anel de diamantes – que para justificar nas finanças como despesas, sei lá, de saúde, deve ser o arco dos trabalhos – contentamo-nos com um arquivador colorido para guardar os recibos da casa por anos. Giro! Isto para já não falar do que acontece à própria da cerimónia. Imagino já os convidados a terem de pedir factura por cada caldo de galinha e bifinhos ao champignon que enfardarem. Ou ter a ter de passar recibo por cada nota que enfiarem na pernoca da noiva na altura do leilão da liga. A parte boa é que se calhar, quando chegar àquela coisa do “beija, beija, beija!”, se calhar aparece o fiscal a dizer “meus senhores, essa prática não é dedutível portanto, vamos lá a acabar com isso. Ou, então, não. Lembro-me agora que a parvoíce não paga imposto. E não há de facto coisa mais parva do que estar a comer tranches de maruca com camarão e a ver tias gordas a dar beijocas em tios bigududos. Enfim, o manancial é infindável e adivinham-se já práticas tão jeitosas como as dos empreiteiros que nos fazem obras em casa e nos perguntam se queremos recibo. Nos casamentos, vai ser igual, com os organizadores a fazer o mesmo, mas em mais bicha: “quer com factura? se quer com factura é mais caro, por cauda do IVA!”. Uma coisa, no entanto, não se pode negar: fica claro que o casamento é um negócio. Em vez das alianças, os noivos só tem que apresentar a factura. É mais justo!

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

escreva-nos para

condutoras@programas.rdp.pt
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.

as condutoras

Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.

podcast

Ouça os programas aqui

Arquivo

  1. 2008
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2007
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D