as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Condutoras de Domingo

Ricardo Aibéo

No Auto-Rádio a 29 de Jun...

Sinais de Luzes - 29 de J...

Deviam Fazer Anos

Estação de Serviço - Pisc...

Heelarious

Choque Frontal - Vale e A...

Horóscopo - Gordos

Está a Falar de Quê? - Ma...

Tão Mau Que é Bom - Luís ...

De Encontro ao Pára-Brisa...

Touros

O Que é Nacional é Bonzin...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Domingo, 30 de Março de 2008
Tão Mau Que é Bom - A Saudade
Nós sabemos que a realidade portuguesa é bem diferente dos filmes. Mesmo dos portugueses! Sabemos que o senhor prior lá da paróquia nunca andaria enrolado com a Soraia Chaves – quanto mais não seja porque não a conhece. Sabemos que os gangs da Zona J não usam alcunhas mariquinhas como “Pantera”. Sabemos que o Nicolau Breyner não é corrupto nem fuma charuto. Sabemos que uma “Viagem ao Princípio do Mundo” demora um bocadinho menos que três horas e meia. Mesmo a pé. Enfim, estamos preparados para esse tremendo contraste entre o mundo real e a ficção. Mas tudo o que é demais deita por fora. Não custava nada dar um bocadinho de acção aos casos policiais da nossa praça. Vamos ao exemplo mais comum: o foragido. Nos filmes (ou em novelas da TVI chamadas “A Outra”) são pessoas que fazem operações plásticas, falsificam documentos e mudam de nome. Malta que se refugia em tocas escuras, estilo Saddam Hussein, e que só sai à rua com gabardina até aos pés e óculos escuros, tipo Inspector Gadget. E como é óbvio essas saídas arrojadas só têm lugar quando há assuntos urgentes para resolver. Como ir ao hospital retirar uma bala alojada no peito ou ir ao funeral do padrinho. A coisa muda de figura quando falamos da vida nacional. Esta semana um recluso evadido em 2006 da prisão de Coimbra foi apanhado. No jornal surge como Alfredo – nome fictício. Por aqui se vê a falta de categoria de tudo isto. Se fosse um fugitivo de Alcatraz chamava-se pelo menos Clint Eastwood. Como é ali do Estabelecimento Prisional de Coimbra, chama-se Alfredo. Adiante. Depois de quase 2 anos de fuga bem sucedida, este homem, condenado a 12 anos de prisão por burla e contrafacção, foi apanhado pela polícia. E perguntam vocês: onde se deu a detenção? Numa das movimentadas linhas do metro de Nova York? No Rio de Janeiro, junto à residência de Fátima Felgueiras? Numa sucursal dum banco na Suiça, a tomar conta do offshore? Nada disso. Foi num sítio também ele cheio de glamour: Pocariça, a poucos kilómetros de Cantanhede. E porque é que o Alfredo se deslocou até lá? Provavelmente para receber uma mala cheia de dinheiro, ou uma nova máquina para imprimir notas falsas. Ou, pronto, um kilo de haxixe que fosse. Pois. Não. Ele fez um longo caminho até lá porque era… Domingo de Páscoa e quis visitar a família. Quando se viu cercado, não ofereceu qualquer resistência e a polícia não teve que recorrer à força. É natural. Ele provavelmente já tinha o que queria: um Kinder Gran Surpresa, daqueles que trazem peluches e tudo. E como a operação foi pacífica se calhar ainda deu tempo para levar umas amêndoas de licor para os amiguinhos da prisão. 


publicado por condutoras de domingo às 11:21
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO