as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Condutoras de Domingo

Ricardo Aibéo

No Auto-Rádio a 29 de Jun...

Sinais de Luzes - 29 de J...

Deviam Fazer Anos

Estação de Serviço - Pisc...

Heelarious

Choque Frontal - Vale e A...

Horóscopo - Gordos

Está a Falar de Quê? - Ma...

Tão Mau Que é Bom - Luís ...

De Encontro ao Pára-Brisa...

Touros

O Que é Nacional é Bonzin...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Domingo, 23 de Março de 2008
Está a Falar de Quê? - Euro Talk
A Páscoa é uma óptima altura para viajar. Mas para ir para fora – ou até mesmo para o Algarve – é preciso dominar línguas estrangeiras. O que já não é problema. O DN resolveu brindar-nos com a colecção Euro Talk. Antes de avançar, fica a nota: o casal que aparece na capa dos livros de japonês pode ser bem sorridente mas é… filipino. A nossa amiga Maria João Cruz ao constatar este facto ficou de tal forma perturbada que está prestes a organizar uma Marcha pela Indignação, com cartazes a maldizer esta “Euro Talk”. Mas eu acho que até é uma colecção bem útil. A começar nos livrinhos de SOS que nos ensinam expressões muito úteis em qualquer língua. Como: “meio dia e vinte e cinco”, que só se pode usar num momento muito específico do dia ou “pode nadar-se aqui?” – coisa que provavelmente vai querer perguntar na sua próxima viagem à Rússia. Há também palavras imprescindíveis, como cassete, coisa muito em voga (sobretudo no Japão), bochecha, ameixa – sempre uma boa referência, mesmo nos países em que não se come, e ursinho. Esta é capaz de ser a que mais me fascina. Porque acho que ursinho é coisa para ser útil em qualquer conversa entre turistas e nativos. Se nos perguntarem como é o clima português, dizemos ursinho. Se nos falarem no Figo e no Ronaldo, ursinho. Se nos perguntarem as horas, ursinho. É útil, a sério! O livro de mandarim ensina a dizer “não percebo” e “fale mais devagar por favor”. A questão é: se só decorámos frases soltas do livro, não é por falarem mais devagar connosco que vamos perceber. Até podem soletrar, ficamos na mesma! Eu acho que o propósito destes livros não é dar ensinamentos mas sim felicidade. Sim, continuamos ignorantes, mas mais felizes. Ensinam-nos uma óptima forma de meter conversa, em qualquer parte do mundo. Perguntar sobre os últimos backups que a pessoa fez. Não há melhor para quebrar o gelo. É isso e falar da capacidade de armazenamento dos CDs. Dá pano para mangas. Gosto sobretudo do conceito de aprender Business Talk numa língua que não conhecemos. Isto pode levar os mais inconscientes a lançar OPAS sobre empresas gregas, ou a negociar petróleo com sheiks árabes. É que uma pessoa decora estes diálogos e depois vai por aí fora. Por exemplo: “O que acha do valor da taxa sobre o uso da patente?” Vou treinar esta frase intensamente para usar nas próximas férias no Qatar.


publicado por condutoras de domingo às 10:44
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO