as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Condutoras de Domingo

Ricardo Aibéo

No Auto-Rádio a 29 de Jun...

Sinais de Luzes - 29 de J...

Deviam Fazer Anos

Estação de Serviço - Pisc...

Heelarious

Choque Frontal - Vale e A...

Horóscopo - Gordos

Está a Falar de Quê? - Ma...

Tão Mau Que é Bom - Luís ...

De Encontro ao Pára-Brisa...

Touros

O Que é Nacional é Bonzin...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Domingo, 16 de Março de 2008
Está a Falar de Quê? - Gerard Lallane
Quando entramos em comparações com França, saímos invariavelmente a perder. Em vez de receitas farta-brutos servidas em tascas, têm nouvelle cuisine servida em brasseries. Em vez de arrufadas têm croissants, em vez de Augustus têm Christian Lacroix, em vez duma feira popular devoluta e um parque infantil em Sobral de Monte Agraço, têm a Disneyland. Também a classe política francesa é sem dúvida mais competente do que a nossa. A começar pelo Presidente, que em vez de andar com uma senhora famosa por vestir mal, anda com uma famosa por se vestir pouco. E a argúcia dos governantes estende-se ao poder local. O autarca Gerard Lallane publicou um edital, no qual comunica aos 260 habitantes da Vila de Sarpourenx que estão proibidos de morrer. “Todas as pessoas que não possuem jazigo no cemitério e que desejem ser enterradas na vila estão proibidas de morrer na comunidade”. Isto é uma tradução formal da expressão “vai morrer longe!”. Pode ler-se ainda que “os infractores serão severamente punidos”. Ora isto leva-nos a um novo nível de violência, que é a severidade com cadáveres. Que raio de punição será essa para quem, apesar dos avisos, decidir falecer? Será transformar o elogio fúnebre em dura crítica fúnebre, lida em tom zangado? Ou será uma coima, dependente da gravidade da morte? Homicídios e atropelamentos talvez tivessem atenuantes, porque a pessoa não agiu propositadamente. Agora, morrer de enfarte do miocárdio, por exemplo, é completamente inaceitável. Dá mostras de uma falta de cooperação total. Se uma pessoa vive em Sarpourenx tem de se reger pelas leis locais. E se não expirar é uma das regras, então mesmo que tenha 98 anos, tem de prevenir activamente os AVCs. E as constipações. E os resfriados. E as gripes. E a ciática, o reumático e os bicos de papagaio. Tudo aquilo que deixe em aberto a possibilidade de vir a morrer. O conselho que tenho a dar a esta população é este: tranquem-se em casa, bem agasalhados, e deixem instruções claras aos vossos familiares. Para o caso de falecerem, vos cortarem em tranches e congelarem na arca. Não vá o sr. Lalanne descobrir-vos e dar-vos uma descompostura por terem exalado o último suspiro sem autorização. Se tudo correr bem, estes cuidados nem vão durar muito tempo. É que o autarca já tem 70 anos e nós bem sabemos que nestas andanças da política, eles falam muito mas são os últimos a dar o exemplo. Em declarações à imprensa, Lalanne disse: “pode ser motivo de riso para alguns, mas não é para mim”. Estranho. Pensámos que tinha sentido de humor. Trata-se dum bom homem. Quando tantos e tantos déspotas negam o direito à vida das populações, este apenas veta o direito à morte. É um gesto bem simpático.


publicado por condutoras de domingo às 11:25
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO