as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Destravados - Gravidez em...

Destravados - Tom Boonen

Destravados - Fredric Bau...

Destravados - Andrew Kell...

Destravados - Cuspidor

Destravados - Marche Tayl...

Destravados - Anónimo Ang...

Destravados - Miley Cyrus

Destravados - Anónimo

Destravados - Thomas Kohn...

Destravados - Rui Alves

Destravados - Ian Usher

Destravados - Heather Mil...

Destravados - António Mar...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007


Domingo, 29 de Junho de 2008
Destravados - Gravidez em Grupo

Sabemos que estamos a ficar velhos quando começamos a olhar de lado para as modas da malta jovem, entre suspiros de “no meu tempo não era assim” e uma vontade incontrolável de partir para a violência e desatar ao sopapo pedagógico. Foi a moda dos Morangos, do Hi5, de escrever com x, de chorar como se os Tokio Hotel fossem o Tony Carreira... Mas pelos vistos nos Estados Unidos há uma nova moda nova da gente nova: ´bora todas ter filhos? “A sério, são super fofos, eu uma vez vi um num anúncio de fraldas e achei o máximo. Ainda são mais fixes do que aquela boneca Violeta de que falaram nas Condutoras de Domingo”. Bom, não foi bem isto que disseram, mas só porque os retransmissores da RDP nos Estados Unidos não funcionam lá muito bem.
17 jovens do liceu de Gloucester terão feito um pacto para engravidarem ao mesmo tempo, para depois poderem criar os pimpolhos todas juntas, numa alegre festarola de pó-de-talco e Milupa. Milupa , esse, que ainda é o alimento principal da roda alimentar destas novas mães, cuja média de idades anda pelos 16 anos.
Vozes indignadas apressaram-se a culpar o filme “Juno” pelo boom de gravidezes nas adolescentes. Bom, no nosso tempo só se engravidava no cinema se se usasse o escurinho da sala para trocar mais do que baldes de pipocas meladas. Mas enfim, era preciso arranjar um culpado, e toca de apontar o dedo ao filme que tinha aquela pita prenha no cartaz. É uma sorte ter sido o “Juno” o filme da moda. Imaginem que era o “Piratas das Caribas”, e acabava toda uma geração empoleirada em barcos, talvez tentando vazar uma vista com um ferro só para usarem um olho de vidro. Ou que se punham a ver o “Citizen Kane” e queriam todas ter trenós chamados Rosebud? Resta saber se, agora que vão passar a ver televisão com os filhos, também vão querer todas formar um clã de Telletubbies só porque parece super divertido.
 



publicado por condutoras de domingo às 11:08
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 22 de Junho de 2008
Destravados - Tom Boonen

Quando abrimos a nossa caixa de e-mail, sabemos que raramente vale a pena ler os mails que começam com as temíveis letrinhas “fwd” - ou “forward”. Geralmente, são mensagens passadas e repassadas que nos abrem as portas para um mundo de powerpoints com o Dalai Lama, fotografias de fantasmas num photoshop manhoso ou gatinhos-bonsai a crescer dentro de garrafas. Mas os melhores são os que nos alertam para calamidades. Coisas inofensivas do dia a dia que afinal vão apanhar-nos distraídos e matar-nos durante do sono. Ou, pelo menos, deixar-nos entrevadinhos. São as latas de sumo com urina tóxica de ratazana, as tatuagens temporárias carregadinhas de drogas… e as bebidas onde alguém mistura substancias que nos fazem acordar em banheiras cheias de gelo, com o nosso pâncreas a ser vendido ao quilo algures nas ruas de Hong Kong. E foi nisso que se baseou o nosso destravado de hoje. Se serve para os forwards, também serve para a vida real. Tom Boonen é um famoso ciclista belga que recentemente acusou cocaína num teste anti-dopping. E como é que Tom se está a tentar safar? Dizendo que lhe misturaram cocaína na bebida à socapa num bar. A nós só nos parece possível se, para beber um Capri Sonne, ele enfiar a palhinha na narina e snifar o elixir de tutti frutti por aquele nariz acima. Mas enfim, se metem erva em bolos para fazerem space cake, porque não meter cocaína num suminho de laranja? Aliás, esta desculpa pode começar a ser usada por arrumadores de carros e Amy Winehouses deste mundo fora: digam que não são drogados, são apenas inocentes vítimas às quais alguém misturou heroína no Chocapic para lhes gamar órgãos.



publicado por condutoras de domingo às 19:09
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 8 de Junho de 2008
Destravados - Fredric Baur

Hoje em dia já há batatas fritas com imensos sabores. Queijo, Barbecue, Pickles, Carapaus de Escabeche, Tiramissu, Sabão Azul e Branco… Mas deixamos apelo: tenham muito cuidado da próxima vez que abrirem uma embalagem de batatas – porque podem deparar-se com um sabor que não pediram. Ou por outras palavras: nem todas as batatas fritas que por aí andam trazem como brindes bandeiras de Portugal. Isto por culpa no nosso Destravado desta semana, Fredric J. Baur. Este homem de 89 anos faleceu recentemente e foi enterrado, tal como desejava, dentro da sua invenção mais famosa: a caixa de cartão das batatas Pringles. A família pegou nas cinzas e colocou-as no popular tubo. Vemos à partida logo uma vantagem: vão sempre saber que a caixa está na despensa, junto ao arroz e aos cereais, e não vão andar as cinzas perdidas não se sabe onde como as do Kurt Cobain. Correm é o risco que alguém as coma enquanto vê o Portugal- República Checa. Este conceito das pessoas descansarem eternamente num símbolo do seu trabalho terreno dá algumas ideias. Parece que já estamos a ver a Amy Winehouse a ser enterrada num cachimbo de crack ou o Derlei a ser guardado numa mistura de gase e Betadine. Um montinho de cinzas dentro de um pacote de batatas fritas não consegue, à partida, soprar num balão. Mas nós lá pusemos o aparelhómetro no tubinho e o contador marcou sem hesitações: 2.5 de Destravadice no sangue. E com um ligeiro cheirinho a barbecue. Que descanse em paz, numa vida depois da morte bem estaladiça.

 


 



publicado por condutoras de domingo às 11:20
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 1 de Junho de 2008
Destravados - Andrew Kellet

Esta semana, nem precisámos de encostar o carro à berma para ver o nosso Destravado. Tudo porque o eleito de hoje está em todo o lado. Não, ainda não foi desta que elegemos Deus como Destravado – talvez se um dia nos mudarmos para a Rádio Renascença, quem sabe. Estamos, isso sim, a falar de Andrew Kellet, um jovem que está em todo o lado porque percebe de marketing como poucos. Kellet usou a ferramenta da moda, o You Tube, para mostrar os seus dotes. Parece-nos lógico: já existem cantores, actores, realizadores, desportistas e até fãs chorosos da Britney que foram revelados por vídeos do referido site.
Só que a especialidade deste britânico não é bem cantar Celine Dion com a escova a fazer de microfone e um quarto foleiro a fazer de casino de Las Vegas. A sua opção artística é mais... praticar crimes. Ao todo, Andrew Kellet colocou no You Tube 80 vídeos seus a praticar as mais variadas ilegalidades, de pequenos roubos em bombas de gasolina a excessos de velocidade. Conseguiu, assim, ganhar o Prémio Revelação – porque, citando a policia, ele revelou-se O Criminoso Mais Estúpido de Sempre. É bonito ver alguém tão jovem entrar já para a estratosfera da história do crime mundial. É destas coisas que os sonhos são feitos.
Quem não viu a beleza deste momento de consagração foi o Juiz, que o proibiu de colocar mais vídeos no You Tube. Desagradado, Andrew Kellet já prometeu recorrer da decisão, dizendo que se trata de uma restrição à sua liberdade de expressão.
Também concordamos. Se os Santos E Pecadores podem andar para aí a editar discos – isso sim, um crime - porque é que o pobre rapaz não pode filmar-se a fugir de uma bomba de gasolina sem pagar? Afinal, ele está a fazer aquilo que todos os portugueses farão eventualmente, quando o litro de gasolina tiver de ser pago com diamantes e hipotecas.
 



publicado por condutoras de domingo às 13:53
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 25 de Maio de 2008
Destravados - Cuspidor

Devíamos começar o nosso Destravado de hoje com um momento de silêncio – mas a gasolina está cara e não podemos desperdiçar nenhum segundo desta nossa condução domingueira. Mas, mesmo assim, estamos comovidas: é a primeira vez que celebramos um Destravado que já não está entre nós. Não foi um trágico acidente de viação que o levou – mas sim um desfecho triste de uma manhã passada a praticar desporto. Um desporto perigoso e, infelizmente, pouco reconhecido: a prática da cuspidela olímpica. Pois é, ficamos todos contentinhos só porque a Vanessa Fernandes corre, nada, anda de bicicleta, salta e faz mais coisas do que as meninas dos anúncios a pensos higiénicos. Mas esquecemos os cuspidores. É triste. Um homem suíço de 29 anos estava a praticar cuspidelas com alguns amigos, depois de uma noite de copos. O objectivo era ver quem é que conseguia cuspir mais longe, desde a varanda do quarto de hotel onde estavam. O atleta respirou fundo, preparou a sua melhor saliva vintage, afastou-se para tomar balanço…. e caiu da varanda, de uma altura de 7 metros, tendo morrido umas horas depois no Hospital.
Hoje, nem lhe vamos medir a Destravadice. Vamos só prestar uma sentida homenagem. Aos cuspidores de todo o mundo – já sabem: se cuspirem, não bebam.
 



publicado por condutoras de domingo às 12:10
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 18 de Maio de 2008
Destravados - Marche Taylor

Nos últimos anos, muitos costumes americanos têm sido importados por nós – mas sempre em versões copiadas muito manhosas, tipo ténis Mike. Passámos a ter Halloween, mas não passa de uma altura do ano em que as pessoas se vestem de diabo antes de irem para a discoteca beber shots. Adoptámos o conceito de Fada dos Dentes – só que na figura do Cheque Dentista criado pelo Ministério da Saúde. Até abraçámos a tradição tipicamente norte-americana de oferecer uma maçã à professora – só que cá optámos por lhe dar antes um pêro na boca. Destas pancas made in USA, há mais uma que começa a querer despontar no nosso país: a de fazer um baile de finalistas. Mas ainda não tem o peso que o “prom” tem para os americanos. Lá, é um momento determinante na vida social dos jovens. Daí o trauma que assola a nossa Destravada desta semana: Marche Taylor foi impedida de entrar no baile. Mais: foi mesmo presa por insistir. Tudo porque o seu vestido foi considerado, vá… badalhoco. O traje foi uma criação da própria adolescente, que resolveu libertar a J-Lo que há em si e optar por um fatinho mais revelador. Tanta epiderme exposta assustou a direcção da escola, que achou que aquele corpo meio desnudo merecia era estar nos chuveiros de uma prisão e não a dançar Beyoncé. Quem sabe a reacção maluca que os outros adolescentes podiam ter ao verem braços e até (horror!) barriga. Querem saber como é o corpo humano? Arranjem uns DVDs do “Era Uma Vez A Vida”. Ou então de pornografia. Isso sim, é digno.

 


No nosso balão de Destravadice, Marche Taylor acusou 1.1 – não pelo corte ousado do modelito… mas apenas porque consegue a proeza de se vestir pior do que a Paula Bobone.



publicado por condutoras de domingo às 11:25
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 11 de Maio de 2008
Destravados - Anónimo Angolano

Não há nada mais lindo do que uma pessoa que persegue os seus sonhos. Que vê, que pensa “eu quero” e vai à luta. Foi o que se passou com o Destravado desta semana. Ele viu o 50 Cent em palco, cobiçou-lhe a jóia que trazia ao pescoço e não hesitou em ir lá buscá-la. E ainda dizem que a juventude não tem objectivos. Tudo isto se passou em Angola, num concerto inserido no Festival Internacional da Paz. Ao contrário de alguns comentários, não encontramos nenhuma ironia no facto do roubo ter ocorrido num certame dito “pela paz”. Parece-nos que o rapaz só queria poder comprar umas jantes novas ou uns discos de kizomba… em paz. Sem ter de se preocupar com o saldo bancário. O ladrão já se foi entregar à polícia, mas diz não ter conseguido ficar com o colar bling bling de 50 Cent, que desapareceu na confusão do concerto. De facto é muito fácil alguém pegar num colar com um penduricalho do tamanho da cabeça de uma criança e colocá-lo no bolso de modo subtil e despercebido. Ao sabermos deste roubo a 50 Cent – o homem que sobreviveu a ser baleado nove vezes mas mal aguenta um show em Luanda – uma dúvida assaltou-nos o espírito. Seria o ladrão um árbitro? Bem se sabe que eles é que se pelam por ouros, de preferência caros. Mas parece que não foi visto nenhum sujeito de roupão nas imediações.
Soprando no nosso balão da Destravadice, este anónimo angolano acusa 2.1 no sangue. Porque, afinal, não é qualquer um que enfrenta 50 Cent e que, em vez de querer rumar a uma “Candy Shop”, prefere rumar a uma loja de penhores.

 

 
 



publicado por condutoras de domingo às 11:17
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 4 de Maio de 2008
Destravados - Miley Cyrus

Há qualquer coisa nas estrelas da Disney que as faz querer andar com pouca roupa. Já não bastava o Pato Donald andar sempre sem calças – uma pouca vergonha! -, soma-se-lhe agora uma personagem de carne e osso: Miley Cyrus. Se o caro ouvinte tem a sorte de ter mais do que 10 anos, este nome não lhe vai dizer grande coisa. Mas para a pequenada Miley é mais conhecida como Hannah Montana, uma popular personagem de uma sitcom da Disney que de dia é uma jovem normal, mas quando a noite cai transforma-se numa estrela da música. Enfim, nada a que não se possa assistir num qualquer bar de travestis, onde o Paulo da mercearia se transforma numa Cher ou numa Rihanna assim que o sol se põe. O que coloca Miley Cyrus na nossa muito exclusiva galeria de Destravados é uma sessão fotográfica para a reputada Vanity Fair. Miley, de apenas 15 anos, tirou algumas fotos que têm chocado a opinião pública norte-americana por serem consideradas demasiado ousadas. Nas imagens, é possível ver a actriz enrolada num lençol, revelando umas costas desnudas. E toda a gente sabe que não há nada mais sensual de que umas costas – os filhos há várias gerações roubam as Playboy e Ana Mais Atrevida aos pais apenas por estarem preocupados em mirar a espinha dorsal avantajada de algumas moças. Por isso, é perfeitamente justificável o choque dos puritanos. Confrontada com a reprovação da opinião pública e dos próprios estúdios Disney, Miley Cyrus apressou-se a por as culpas na fotógrafa, a reconhecida Annie Leibovitz, acusando-a de a ter manipulado. Ora essa parece-nos uma óptima desculpa para a próxima vez que não gostarmos de uma foto que nos tirem. Estamos com a celulite toda à mostra? Ficámos com cara de parvas? Percebemos que não foi nada boa ideia tirar uma foto a beber sangria pelo jarro enquanto apalpamos a colega do lado e lhe pomos a língua no ouvido? Não há problema, pomos a culpa em que estava do outro lado da objectiva.

 

 


No balão de Destravadice, Miley Cyrus acusou 1.6. Não por não ter jeito para tirar fotografias. Mas sim por não tem dom nenhum para inventar desculpas esfarrapadas.



publicado por condutoras de domingo às 12:47
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 27 de Abril de 2008
Destravados - Anónimo

Apesar do nome deste programa ser “Condutoras de Domingo”, não nos costumamos meter nesse milenar duelo entre homens e mulheres. Mas hoje vamos dar um conselho à borla ao nosso auditório masculino: vamos responder à pergunta “mas afinal, o que é que as mulheres querem?”. E a resposta é…querem viver cenas como as dos filmes românticos. Querem um homem que se arme em Billy Cristal e lhes faça uma declaração surpresa na passagem de ano. Desejam um marmanjo que lhes faça uma serenata com um rádio oitentão, como o John Cusack. Bolas, até se contentariam com um Crocodilo Dundue a ir no seu encalço em pleno aeroporto. Porque é que acham que as mulheres vos querem sempre arrastar para comédias românticas quando vocês estão é mortinhos para ir ver um filme com o Steven Seagel? São elas a dizerem-vos: “vê, toma nota, faz também”. 
Infelizmente, são raros os homens que percebem as dicas cinematográficas. O Destravado desta semana, ao menos, tentou. Fez o melhor que sabia e podia. Desconhecemos o seu nome, mas reconhecemos o seu mérito. Falamos de um homem que foi para pleno programa Preço Certo com um cartaz onde se lia: “Sandrina, desculpa ter-te feito sofrer. Beijos para ti e para a nossa filha. Amo-te”. Tudo bem, não é um golpe à Hugh Grant, mas é bem intencionado e revela esforço e preparação. A tal Sandrina, que já ia toda lampeira tentar adivinhar o preço certo de um espremedor de citrinos, ficou de certo emocionada. Mas deve ter ficado ainda mais quando Fernando Mendes lhe berra amigavelmente ao ouvido “Sandrina, não sejas parva, o homem ama-te”. Toda a gente sabe que entre marido e mulher não se mete a colher, mas se for o Fernando Mendes já pode pôr um faqueiro inteiro. Até estávamos embaladas na beleza do momento… quando parámos para pensar. “Desculpa ter-te feito sofrer?”. Alguém que vai para a televisão com um cartaz assim não deve estar a desculpar-se por ter deixado o tampo da sanita para cima ou por ter comentado que a vizinha brasileira estava mais magra. Para crises matrimoniais graves, parece-nos que o “Preço Certo” não tem impacto que chegue. Ele que experimente a novela da Alexandra Lencastre ou o “Malucos no Hospital”.
No balão de Destravadice, o anónimo apaixonado de Sandrina acusa 1.7. Seria bonito que ele escrevesse isso no próximo cartaz.



publicado por condutoras de domingo às 11:31
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 20 de Abril de 2008
Destravados - Thomas Kohnstamm
Há profissões chatinhas. Sejamos honestas: algumas são mesmo dolorosa e tenebrosamente chatas. É que nem toda a gente ganha a vida a acordar cedo ao Domingo para conduzir e mandar bitaites sobre a semana. Há quem conviva diariamente com relatórios intermináveis, folhinhas de Excel, powerpoints às cores que tentam disfarçar a seca projectável que para ali vai. E, verdade seja dita, conseguiríamos compreender se os sofridos trabalhadores destes empregos bocejantes fizessem o seu trabalho às três pancadas. Se chegassem mesmo ao ponto de inventar umas coisas, só para atalhar caminho e para poderem ir para casa mais cedo comer lasanha congelada e ver a Betty Feia.
Do que não estávamos à espera era de ver alguém que tem uma das melhores profissões do mundo a pregar uma monumental tanga só para não ter de trabalhar. Mas foi o que fez Thomas Kohnstamm, escritor de guias de viagens. Sim, Thomas ganha supostamente a vida a viajar e a escrever guias da Lonely Planet. Mas só supostamente: Kohnstamm nunca foi mais longe do que o fundo da rua dele. Os guias de sua autoria, que incluem países como o Brasil ou a Colômbia, são segundo o próprio inventados e plagiados. Por isso não será de estranhar se algures neste momento estiver um turista alemão, de crocs e meias, a ver o Cristo Rei e a julgar que aquilo é a Estátua da Liberdade. Ou a procurar insistentemente um Taj Mahal numa qualquer avenida colombiana, enquanto grita: “o guia diz que é entre o Hard Rock Café e o Museu dos Lindos Unicórnios Mágicos”.
A justificação do nosso Destravado para nunca ter de facto feito as viagens é que a Lonely Planet não pagava o suficiente para suportar os custos da deslocação e estadia. Não há dinheiro, não há palhaços. Ou, neste caso, não há dinheiro… não há calhamaços.
No nosso balão de Destravadice, Thomas Kohnstamm acusa 1.9 no sangue. Mas é maleita que facilmente lhe passa: ele que descanse. Olha, ele que tire umas férias. Ouvimos dizer que Rio de Mouro é muito lindo. Pelo menos, era o que vinha escrito no guia.


publicado por condutoras de domingo às 11:15
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 6 de Abril de 2008
Destravados - Rui Alves
Uma das características mais proeminentes de um português é o adorar dizer mal do seu próprio país e do seu povo. Talvez seja por isso que saem tantas notícias nas quais somos constantemente colocados na cauda da Europa: os jornalistas sabem que o cidadão comum até se baba com mais achas para a fogueira. Claro que esta auto-flagelação nacionalista só é permitida a quem é português – se vem um estrangeiro reclamar que escarramos para o chão e que passamos à frente nas filas, já está o caldo entornado. Mas o que dizer quando o acérrimo crítico de Portugal é um português... mas que pensa que é estrangeiro?
Rui Alves é presidente do clube de futebol Nacional da Madeira e disse esta semana em entrevista que não gosta de portugueses, da língua portuguesa nem da cultura portuguesa. Alves assume defender a independência da Madeira e já decidiu que em 2011 faz as malinhas e abandona o país. Somos solidárias com a tortura deste homem: o que lhe deve custar detestar a língua de Camões e ter de a falar todos os dias para se fazer entender. E ter de recusar uma cultura que lhe é imposta, não podendo assim ouvir ter o prazer de ouvir uns UHF ou uns Quinta do Bill. Não podendo sequer comer uma patanisca de bacalhau, sabendo que isso seria abraçar um símbolo de uma nação que nada lhe diz.
Rui Alves não denunciou para que país pretende emigrar em 2011. Mas as Condutoras têm uma sugestão: já que está tão habituado a regiões insulares, porque é que não se pira para a ilha do “Lost”? Não só ele se vê livre das portuguesices, como nós nos vemos livres dele. Soprando no nosso balão de destravadice, o presidente do Nacional acusa 2.3 no sangue. Não sabemos foi se ele percebeu esta informação, porque enquanto nós falávamos português ele só discursava em klingon.


publicado por condutoras de domingo às 11:28
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 30 de Março de 2008
Destravados - Ian Usher
Os Humanos fizeram sucesso a cantar "Muda de vida, se não te sentes satisfeito, lá lá lá". Parece um clichet daqueles de música para nos levantar o espírito quando estamos com neura – ou, pior, de best seller tipo "O Segredo", que é basicamente um livro que pega numa série de conselhos e provérbios das nossas avózinhas e lhes dá um look cool e Oprah-aproved. Mas houve um homem no Reino Unido que levou mesmo a sério esta história de Mudar de Vida . E para isso, nada melhor do que ver-se livre da sua vida actual... vendendo-a. Ian Usher assegura que não está armado em vendedor de automóveis pronto a meter o barrete: a sua vida é perfeita. Ele é que não a quer porque está a recuperar de um divórcio penoso. Quem se atrever a fazer a maior licitação pode ficar não só com a sua bruta casa, carro, mota e jet ski, mas também com o seu emprego e grupo de amigos. Ian quer ver-se livre de tudo o que lhe relembre os anos de feliz matrimónio com a agora ex-mulher e pelo caminho ainda faz uns trocos – que isto da vida de solteiro sai cara, com todas as refeições congeladas que é preciso comprar e todos os canais marotos que é preciso pagar para descodificar.  O objectivo deste inglês é pegar no dinheiro reunido na venda da sua vida – que está disponível para licitação no Ebay até Junho – e usá-lo para apanhar o primeiro avião que passar. Esperamos que não tenha o azar de ser um avião para Portugal. Não nos parece um sítio propício para começar uma nova vida que se quer fresca e esperançosa. Levava logo com manifestações, ficava deprimido, tentava arranjar um emprego para poder comprar a sua vida de volta e acabava a trabalhar com fiscal da EMEL e a levar com pedras da calçada no sobrolho. Uma maçada. No teste da Destravadice, Ian Usher marca 1.1. Mas esta é uma história que vamos querer sujeitar a novo balãozinho quando a vida for vendida. Com sorte, talvez seja Joe Berardo a comprá-la.


publicado por condutoras de domingo às 11:29
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 23 de Março de 2008
Destravados - Heather Mills
Em criança, a maior parte das meninas querem ser professoras, bailarinas ou mesmo princesas. Depois, a maioria cresce e acha que mais vale almejar a outras profissões, como por exemplo licenciada em sociologia que trabalha num call center. Mas há ainda algumas resistentes que não desistem da ideia de ser princesas – e optam então pela carreira que está lá mais próxima: ex-mulher de celebridade. É uma profissão em clara expansão e sobre a qual a Destravada desta semana pode escrever brutos calhamaços com dicas e instruções. Falamos de Heather Mills, que durante muito tempo foi conhecida por ser uma modelo perneta e agora é famosa por ser ex-mulher perneta de Paul McCarteney - e por ter esta semana afiambrado-se a 33 milhões de euros, por decisão do tribunal. A quantia pode parecer astronómica, mas isso é para nós comuns mortais que perdemos tempo a gramar com os vestidos berrantes da Marisa Cruz no Euromilhões só para vermos passar números como se estivéssemos na Rua Sésamo. A fortuna total do eterno Beatle ronda os 513 milhões de euros, pelo que não vão ser os 33 que ele gasta em pastilhas para a dentadura que lhe vão causar grande mossa. Mas enfim, sempre ensina a Paul que deve ter mais cuidadinho da próxima vez que vir uma giraça aleijadinha que dê ares à ex-mulher – é que enquanto Linda McCarteney ficou conhecida pelo seu trabalho na defesa dos animais e em prol do vegetarianismo, Heather prefere outro tipo de verduras: notas. Heather Mills apressou-se a dizer que todo o dinheiro que ganhou com este milionário divórcio será para a filha. Claro, nós sabemos. Só que em tribunal tentou sacar mais um milhão, explicando que precisava dele para “férias”. Férias?? Onde? Embarcando num fogetão de ouro rumo a Marte? Que férias é que custam um milhão de libras? É que nem a Quarteira em época alta. Ela que leve a catraia ao Zoo Marine que também fica muito bem. Para garantir a sua quota-parte de conta bancária que para sempre lhe valerá uma menção na História Universal das Ex-Mulheres, Heather assegurou ao juiz que foi “essencial para restabelecer a carreira de Paul McCarteney, dando-lhe luz e autoconfiança”. Parece-nos uma tarefa complicada, de facto. O que deve custar todas as manhãs acordar o Paul e dizer-lhe “sabias que foste dos Beatles? Vai lá ao banco levantar mais um cheque pelo Hey Jude, se faz favor”. Não é qualquer pessoa que relembra o membro da banda mais popular de sempre que ele tem jeito para a coisa. Já imaginaram o que seria Paul McCarteney convencer-se que a sua vocação era ser serralheiro ou contabilista? Como de costume, tentámos fazer a nossa Destravada soprar no balão – mas Heather não está para brincadeiras, tomou-lhe o gosto e pediu-nos todas as nossas economias. Acabamos por a deixar ir… e só depois reparámos que nos gamou as carteiras, uma jante e um pacote de Cream Crakers que estava no porta-luvas.


publicado por condutoras de domingo às 11:11
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 16 de Março de 2008
Destravados - António Maria Costa
Hoje nos Destravados vamos falar novamente de Amy Winehouse. Só que desta vez, pasme-se, não é ela quem anda estrada fora a causar o caos e o pânico por esses caminhos alcatroados. A pobre Amy é neste caso a vítima, assustada na sua viatura, cinto posto conforte as regras comunitárias, colete reflector já pronto a usar. Não vamos debruçar-nos na sua tendência para drogas, álcool, cabelos assustadores e maquilhagem à Robert Smith ensonado. Aliás, hoje provamos que o Destravado pode perfeitamente ser alguém de fato e gravata aprumados, com uma secretária espaçosa com fotos da família e um cargo digno de estatuto e respeito. Esta semana abrandamos a marcha para ver passar António Maria Costa. O nome engana, mas este António não é português – é italiano. E é o director executivo do Gabinete das Nações Unidas Para a Droga e o Crime – nome pomposo para alguém que basicamente ganha a vida a dar palestras onde relembra que “as drogas fazem mal e se as usarem são uns feios”. António Maria – nome chiquíssimo, a fazer lembrar golf e pólos com crocodilos – veio alertar para o perigo da já referida Amy. No seu entender, a cantora e a sua dependência de drogas “não danificam só o seu cérebro e nariz – ela contribui para a falência dos Estados do outro lado do mundo”. Explicando por outras palavras, o director executivo da ONU explica que a droga consumida pelas celebridades é traficada através de países pobres de África, criando nestes um efeito tão destrutivo que pode ser comparado à própria escravatura. Bom, a isto é que se chama um bode expiatório! A expressão “só falta culparem-me pela fome em África” ganhou todo um novo sentido. Da próxima vez que virmos no telejornal uma criança magrinha, saberemos que a chicha que lhe falta foi pela narina da Amy acima. Toda a dor e sofrimento no continente africano são causados pela sua persistência em dizer “no,no,no” a ir para a rehab. Já agora: é possível culpá-la também a ela pelo estado em que anda o Sporting ou pela avaliação dos professores? Dava cá um jeito...António Maria Costa chegou-se à frente para soprar no nosso balão da Destravadice e acusou 1.1. E lá seguiu ele, feliz por ter descoberto que Darfur é obra de uma estrela pop.


publicado por condutoras de domingo às 11:20
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 9 de Março de 2008
Destravados - Principe Harry
Estar na linha de sucessão para a coroa britânica não é fácil. Veja-se a vida atarefada da Rainha Isabel II, Belita para os amigos. Belita tem a fatigante tarefa de andar por aí, de pochete na mão, a acenar às pessoas. Não é para qualquer um, sobretudo na idade dela – é coisa para provocar umas artrites lixadas. E é normal que nem todos os descendentes se sintam motivados para prosseguir uma carreira no ramo do Reinado. Carlos e William já aceitaram a sua sorte, certos de que um dia lá terão de encavalitar uma coroa na cabeça e fingir-se fascinados pelas anedotas de um qualquer representante de um país rebuscado.

Quanto a Harry, o nosso Destravado desta semana, o caso é um pouco diferente – ele está naquela posição em que é quase futuro rei, mas não chega bem lá. Falta-lhe um bocadinho assim. Pelo que teve de arranjar outra profissão de futuro com a qual se entreter. Harry não fez a coisa por menos e optou pelo exército. Se fosse português, de certeza que tinha escolhido uma profissão mais difícil e estimulante, como ser relações públicas de uma discoteca. Mas não, foi pelo caminho mais fácil e lá se meteu ele num avião rumo ao Afeganistão. Esta semana regressou ao Reino Unido, mas não parece estar muito satisfeito e está já a planear um regresso. Tudo porque, e citamos, Harry “geralmente não gosta de estar em Inglaterra”. Ora nós sabemos que o Afeganistão não é tão perigoso como o Colombo, mas mesmo assim é um lugar complicadito. E ouvir alguém que, caso o irmão tenha um acidente letal com uma espinha de um fish’n’chips, ainda pode acabar como Rei a dizer que não gosta da Inglaterra... é como ouvir o Liedson a dizer mal do Sporting. Ai, espera! Isso já ele fez! Soprando no nosso balão, Harry marca 1.2 de destravadice no seu sangue azul. Nós sabemos que viver em Inglaterra no meio de dentes horrorosos e dias chuvosos não deve ser fácil. Mas mesmo assim é de homem preferir andar por aí num tanque e não num Mini daqueles com o volante no lado contrário.


publicado por condutoras de domingo às 11:41
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 2 de Março de 2008
Destravados - Sarkozy
Temos sempre a mania que o nosso país está atrasado em relação ao que se faz lá fora. Mas, sendo justas, temos de admitir que somos pioneiros em algumas coisas importantes. Como, por exemplo, o uso de sistemas de Via Verde nas auto-estradas e a manufactura de pães com chouriço gigantes para o Guiness. E fomos também precoces numa outra coisa: a figura do político polémico, blasé e a atirar para o charmoso. Já nos anos 90 presenteámos o planeta com as figuras de Santana Lopes e Manuel Carrilho. O primeiro andou com uma actriz brasileira e uma tia jet set, não percebia nada de Chopin e quis acabar com a sua carreira política por causa dessa persona influente que é João Baião. Já o segundo casou com uma apresentadora de televisão que o obriga a limpar a casa, detesta apertos de mão possidónios e percebe que a única maneira de votarem nele é mostrando o seu filho fofo.
É talvez por termos tantos anos de agradável convívio com estes dois vultos da política que não estranhamos tanto como o resto do mundo a figura de Sarkozy. O que não quer dizer que não sejamos fãs das suas destravadices. O aparecer bêbado em conferências de imprensa, o casar-se com uma supermodelo que conhece há meia dúzia de semanas... e o ofender o povinho. Foi esta o último momento de diversão para toda a família que o presidente francês proporcionou. O incidente ocorreu no Salão de Agricultura, onde Sarkozy chamou “pobre imbecil” a um homem que se negou a dar-lhe a mão, com o argumento de que "não queria sujar-se".

Ou seja, nova semelhança com Carrilho: além do penteado, ambos têm um problema com apertos de mão. Talvez o ideal seja optarem por outra forma de cumprimento menos complexa, como esfregar os narizes como os esquimós ou cheirar o rabo como os cães. Soprando no balão da Destravadice novamente (Sarkozy é um repetente neste espaço das Condutoras de Domingo), o presidente francês marca 1.5. Não tanto pelo que fez, mas sim por aquilo que promete fazer. No campo da Destravadice, quer nos parecer que Sarkozy vai fazer uma coisa muito pouco típica dos políticos - e cumprir as suas promessas.


publicado por condutoras de domingo às 12:40
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO