as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Condutoras de Domingo

Ricardo Aibéo

No Auto-Rádio a 29 de Jun...

Sinais de Luzes - 29 de J...

Deviam Fazer Anos

Estação de Serviço - Pisc...

Heelarious

Choque Frontal - Vale e A...

Horóscopo - Gordos

Está a Falar de Quê? - Ma...

Tão Mau Que é Bom - Luís ...

De Encontro ao Pára-Brisa...

Touros

O Que é Nacional é Bonzin...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Domingo, 17 de Fevereiro de 2008
Condução Defensiva - Luiz Pacheco
Luiz Pacheco morreu há mais de um mês e o seu fantasma ainda não tinha aparecido aqui pelo nosso carro. Por isso, vamos aproveitar a recente publicação de O Crocodilo que Voa, um livro de entrevistas organizado por João Pedro George, para convidar Pacheco a sentar-se por uns minutos no lugar do morto. Dado o seu estado, não lhe fará certamente grande diferença. Talvez o incomode o facto – como nos incomoda a nós, mas a vida é assim... – de não se poder dizer muito mal deste livro. Pelo contrário: este é daqueles raros casos que têm passado por aqui e que se recomendam vivamente. É que o que está em causa neste Crocodilo que Voa são as palavras do escritor, do editor e do homem Luiz Pacheco, as suas opiniões excessivas, a sua capacidade de viver sem constragimentos sociais e morais, a sua coragem (que, na realidade, nem sequer é coragem porque, na cabeça de Pacheco, não houve nenhum medo nem nenhum perigo a enfrentar) de se assumir como um juiz “virulento e intempestivo” pronto a avaliar as contribuições que iam engordando a República das Letras e de achar que ser virulento e intempestivo é uma qualidade. Disse ele, em 1995, numa entrevista a Mário Santos, que «é muito prestimoso haver um gajo, que não é parvo de todo e que tem um bocado de experiência da literatura, que diz: isto é bom, isto não presta! (...) Porque, se tenho uma opinião, digo-a ou escrevo-a!» No fundo, estas entrevistas demonstram que não se pode compartimentar a vida de Luiz Pacheco; vida e obra coincidiram e foram levadas pela mesma personagem. Há, neste livro, muitos aspectos que divertem, muita afirmação polémica e maldosa que terá certamente deixado muita gente a vomitar durante dias. Mas, para mal dos pecados de Luiz Pacheco, também se tiram daqui algumas lições. Como aquela que demonstra que, para Pacheco, o equivalente a dizer bem de um escritor era editá-lo. Ou aquela em que, enviando uma mensagem às novas gerações, um singelo «puta que os pariu», revela ironicamente a sua face visionária... Mas vou-me calar. Comprem o livro e vão lendo uma entrevista de dois em dois dias. Todas de uma só vez é capaz de ser indigesto. Ou talvez não. Talvez possa inspirar alguém a cuspir as papas de debaixo da língua. E, agora, caro Pacheco, se não te importas, sai do carro que esta nossa viagem já acabou.


publicado por condutoras de domingo às 11:40
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Comentários:
De conversinhas_da_treta a 17 de Fevereiro de 2008 às 11:41
OI!

O teu blog esta...

...espetacular...

...fantastico...

...empenhado...

...td!

Fika bem

paxa no meu e deixa um komentario ok?

xau bjx

XD XD XD XD


Comentar post

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO