as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Condutoras de Domingo

Ricardo Aibéo

No Auto-Rádio a 29 de Jun...

Sinais de Luzes - 29 de J...

Deviam Fazer Anos

Estação de Serviço - Pisc...

Heelarious

Choque Frontal - Vale e A...

Horóscopo - Gordos

Está a Falar de Quê? - Ma...

Tão Mau Que é Bom - Luís ...

De Encontro ao Pára-Brisa...

Touros

O Que é Nacional é Bonzin...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Domingo, 16 de Dezembro de 2007
Está a Falar de Quê? - Maria de Lurdes Modesto

Hoje tentamos descodificar as declarações de Mª de Lurdes Modesto. Antes de mais, uma ressalva: esse monstro sagrado da cozinha portuguesa merece todo o respeito das condutoras. Quanto mais não seja porque cometeu proezas como ensinar Maria João Cruz a fazer sopa de beldroegas e bacalhau confitado… E isso, entra já no domínio do milagre culinário. Mª de Lurdes acaba de lançar o livro “Queijos Portugueses”. Porque é que esta senhora, que devia estar a descansar, à sombra do sucesso de tantos e tão bons refogados, terá sentido necessidade de escrever mais? Ela explica: “foi motivada pela necessidade de repor a verdade dos nossos queijos tradicionais”. O que se passa? Que mal-entendidos há por resolver na secção de lacticínios dos supermercados? Desde logo imaginei um queijo de Azeitão a manter relações incestuosas com um queijo Limiano. E a realidade não deve andar longe disso, já que Mª de Lurdes diz que existem muitos queijos abastardados. E vai mais longe: em muitos casos o tamanho nem sequer corresponde às normas! Isto é grave. Imagino a desilusão que seja marcar um encontro com um queijo de Niza para depois chegar lá e ver que não tem o tamanho devido. A gastrónoma diz que a culpa é da publicidade, que leva o consumidor a “salivar com total despudor.”

De repente, parece-me que já saímos da queijaria e entrámos noutra secção, mas… continuemos! Mª de Lurdes Modesto diz que “a arte queijeira em Portugal tem uma longa e bela história, porém o apelo pelas grandes cidades leva à perda de saberes ancestrais”. De facto, esse foi o grande flagelo na revolução industrial. Qual êxodo rural qual quê! O que interessa o desemprego ou a falta de saneamento? O problema das metrópoles foi apenas um: o desaparecimento dum belo queijo da Ilha ou a dissolução dum Rabaçal. Mª de Lurdes, apesar de atenta a estes fenómenos sociais, não deixa de lado as emoções. E confessa: “tudo no queijo me fascina”. Comovente. Não se via uma demonstração tão pura de amor a um lacticínio desde que Pauleta atravessou os Açores a correr atrás duma bola de Terra Nostra. Mª de Lurdes é menos discreta que o açoriano, e faz revelações sobre a sua vida íntima: “em matéria de queijos, confesso-me muito leviana. Gosto de quase todos. Tenho um fraquinho pelos queijos azuis mas perante um bom Serpa, genuíno e maduro, traio até o Roquefort, o meu príncipe azul”. Quer-nos parecer que vai uma grande confusão na cabeça desta senhora. Ou no frigorífico! Mas ninguém tem nada a ver com a vida privada das pessoas, por isso, querida Mª de Lurdes, envolva-se com os queijos que quiser, desde que continue a ensinar as novas gerações a fazer carne de porco à alentejana! Isso é que importa.

 




publicado por condutoras de domingo às 11:16
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO