as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Condutoras de Domingo

Ricardo Aibéo

No Auto-Rádio a 29 de Jun...

Sinais de Luzes - 29 de J...

Deviam Fazer Anos

Estação de Serviço - Pisc...

Heelarious

Choque Frontal - Vale e A...

Horóscopo - Gordos

Está a Falar de Quê? - Ma...

Tão Mau Que é Bom - Luís ...

De Encontro ao Pára-Brisa...

Touros

O Que é Nacional é Bonzin...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Domingo, 30 de Dezembro de 2007
Sinais de Luzes - Especial Fim de Ano
Continuamos, sempre a abrir, a deixar para trás 2007 e a avistar ao fundo da rua o Ano Novo. Mas não temos pressa. Por isso, hoje, os sinais de luzes não servem para dizer aos carros da frente para mudarem de faixa. Servem para olharmos pelo retrovisor e vermos quem mais deu nas vistas nos últimos 12 meses.

 

Máximos

Para José Sócrates. Porque foi o português com o ano mais agradável. Aliás, agradabilíssimo é o termo que melhor combina com Sócrates, embora tenha direitos de autor de outra senhora e outros assuntos. Ele, o perito em combinações de fatos e gravatas, fartou-se de aprender coisas este ano. Nomeadamente, que ostentar as perninhas, em várias praças mundiais, encerradas de propósito para o seu jogging, é coisa para quebrar muitos corações. Até os mais gélidos, como o de Ângela Merkel, que não resistiu à vulnerabilidade de Sócrates, correndo de Pequim a Moscovo, sob temperaturas negativas. Mas, se para conquistar a chanceler alemã bastaram a brancura irrepreensível dos ténis e os calçõezinhos azul indigo, no que toca à carreira política, Sócrates não hesita. É peremptório na escolha do azul parlamentar: começou a perceber que a coisa resultava na gravata, e expandiu-a para bandeiras, viaturas oficiais e cenários de cimeiras. Foi todo um acumular de experiência ao longo dos 365 dias do ano! Por entre muitas viagens: desde o turismo rural em Montemor-o-Velho, com direito a manifestações propositadas para o receber, até voos de longo curso, para sítios distantes e cheios de gente gira. E foi aí que Sócrates descobriu o seu verdadeiro talento: relações públicas. Finalmente percebeu que todos aqueles anos dedicados às causas ambientais foram um desperdício de tempo. Estava na cara que, por mais que lesse sobre co-incineração, nunca poderia ser um ambientalista. Daqueles que defendem a baleia branca e só lavam a cabeça uma vez por trimestre. Nos últimos 12 meses, o primeiro-ministro português transformou o nosso país na melhor sala de visitas do Mundo! Agora todos esperamos que avance desta divisão para... uma sala de estar mais decente! Mas Sócrates agora não tem tempo para fazer obras no resto da casa. É que ele andou a empreender numa maneira de trazer cá todos os amiguinhos que fez nos intercâmbios. Casar era uma das hipóteses em cima da mesa, mas arruinava-lhe logo o plano de ser capa da People Magazine, como solteiro mais cobiçado do Mundo. Assim, optou por festas temáticas, como aquela dos líderes africanos, que são sempre malta cheia de cor, que anima qualquer jantar. Sócrates demonstra um à vontade tal na organização de eventos, que é de deixar uma Mituxa Jardim a temer pela sua carreira! Quem agradece é a indústria nacional dos croquetes, que têm tido imensa saída. Enquanto os comuns mortais dirão adeus a 2007, Sócrates gritará: porreiro, pá!

 

Médios

Para Pedro Santana Lopes. Mais do que um comeback, ele conseguiu um verdadeiro replacement. Isso mesmo. Santana Lopes conseguiu substituir o insubstituível José Mourinho. E tudo isto sem ter de sair do banco! A Santana bastou sentar-se na cadeira de entrevistado da SIC Notícias, e falar alguns minutos sobre banalidades, como a crise vivida no PSD. Isto enquanto José Mourinho se mudava, de armas e bagagens, de Chelsea para Setúbal. Nenhum deles sabia, mas aquela noite viria a revelar-se decisiva nas suas vidas. Mourinho achava que estava apenas a trocar o peixe frito de Londres pela chaputa de Sesimbra. Coitado, que inocente é este Special One! Já o “Menino Guerreiro” saiu e casa pronto para a luta. Ele sabia que não ia apenas enfrentar Ana Lourenço e a audiência do Jornal das 10. Ele sabia que podia ocupar o lugar de Mourinho. Até porque percebe imenso de futebol. E assim foi. Com uma estratégia irrepreensível, Santana, depois de interrompido pela chegada de Mourinho, encenou um amuado. Assim ao estilo de Scolari, mas em bom. E o que é que aconteceu? Trocaram de posições. O ex-líder do PSD e ex-primeiro ministro passou a ser um ex-desocupado e voltou às lides políticas. Já o melhor treinador do mundo passou a estar em casa, de pantufas, a fazer zapping e a brincar às “melhores construções de lego do universo” com os filhos. Esta é a história verdadeira da ascensão e queda de dois ícones nacionais. Santana voltou a ser a estrela maior do canal parlamento, e prevê-se que em breve seja contactado pela Federação Inglesa de Futebol para treinar a selecção. Já Mourinho, conquistou o direito a uma coluna do 24 Horas que faz a contagem: “Mourinho, desempregado há 97 dias”... É triste. O homem que se tornou célebre por defender com a vida a sua cadela Leya, agora é famoso por agredir criancinhas em colégios privados. Um tipo de delinquência raro mas difícil de curar, que só tende a agravar-se. Depois disto, já ninguém estranhará se trocar o sobretudo cinzento por lenços para a cabeça, com cornucópias, e pulseiras da sorte. E se andar com todas as mulheres do clã Jardim, incluindo Isaurinha. São tudo sintomas previstos no quadro clínico de José Mourinho. Isto enquanto, algures na Europa, Santana Lopes dará conferências de imprensa, e dirá que “sem ovos não se fazem omoletes”.

 

 

Mínimos

Toda a gente esperava que os mínimos fossem para Maddie. Mas ela já apareceu tanto que as condutoras de domingo não querem ser mais umas a contribuir para isso. E porquê? Porque sabemos que é difícil para as crianças lidar com o fenómeno da exposição mediática. É cedo demais para tanta fama. E quem a merece, isso sim, é uma loira mais entradota: Maria das Dores. Não pode sair de 2007 sem o prémio de pior homicídio da história! É que até o jogador culpado no Cluedo disfarçava melhor! Por mais óbvio que fosse, havia sempre aquela dúvida: terá sido com o candelabro na biblioteca, ou com a matraca no salão? Aqui, não há margem para dúvidas: foi o motorista, e um amigo carpinteiro, com uma marreta, no apartamento. Além da arma não ser nobre por aí além, o bluff também deixou muito a desejar. Maria das Dores perguntou a meia Lisboa, incluindo taxistas, se conheciam alguém que pudesse matar o marido. Depois achou por bem dar aos assassinos uns trocos, em vez do pagamento prometido. De repente, passámos do Cluedo para o Monopólio. E Maria das Dores também passou depressa para a casa da Prisão. Mas aquilo por lá parece ser uma espécie de Party and Company. A cada lançamento de dados, uma nova brincadeira, mais absurda que a anterior: desde as visitas de José Castelo Branco, fora de horas, até ao pedido de Maria das Dores para fazer a dieta do Póvoas na prisão – insinuando que o empadão de carne não é nutritivo! Isto sem esquecer as aparições do seu filho, David Motta, que parece uma personagem das cartas Magic, daquelas tenebrosas! E que saltou fora do baralho no programa Contacto, da SIC, por ser pior comentador que Nuno Eiró ou Valentina Torres, indivíduos que nem sequer têm botox! Isto é mais humilhante que ser o último a fazer Uno ou a pessoa com menos queijinhos no Trivial Pursuit. A parte boa é que a brincadeira desta gente demora mais a acabar que um jogo de Risco. E nós sabemos que Maria das Dores ainda vai conquistar muitos territórios! Quanto mais não seja, a ala norte da prisão de Tires.



publicado por condutoras de domingo às 12:58
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

Condução Defensiva 2007

O ano que agora acaba foi pródigo em fazer correr tinta nos jornais... mas, também, nas editoras. Podem continuar a dizer que os portugueses não lêem, mas lá que adoram escrever, isso, não há que negar, sobretudo tendo em conta a quantidade de livros que se publicam. Em 2007, houve de tudo para todos os gostos, desde a pequena Maddie - esse anjo da Praia da Luz que fez o milagre da desaparição e da multiplicação dos livros – a José Rodrigues dos Santos - que sempre atento aos gritos da moda, meteu na cabeça que era o Al Gore português e lançou mais um épico para ser adaptado ao cinema de Hollywood -, passando pela guerra de palavras – ou palavrões – protagonizada por Miguel Sousa Tavares e Vasco Pulido Valente... houve de tudo, como na Feira da Ladra. E o que houve mais foi literatura que devia ter passado por cima de 2007 sem passar pelas bancas. Saía da gráfica, directamente para o caixote do fundo da cave do alfarrabista. Aqui ficam alguns exemplos!

 

Um pequeno grande amor; Truques & dicas – Os conselhos do “Fátima”; As crónicas do Eirózinho; Como tornar o Benfica campeão?; Momentos de Cristiano Ronaldo; Porque adoptámos Maddie?; Audiolivro do Diário da tua ausência, lido por Margarida Rebelo Pinto e apresentado por Pedro Abrunhosa; Como saber se o teu namorado é anjo ou demónio?. Não, não pensem que isto é uma pergunta à qual vou responder. Isto é um livro publicado em 2007. E, tal como os que referi antes, um livro que não devia ter sido publicado em 2007. Citei apenas alguns títulos porque, se fosse ler a lista completa, a emissão da Antena 3 não passaria disto no próximo trimestre. São aos milhares, meus amigos, os livros que não deviam nunca ter visto a luz do dia e das livrarias. E, no entanto, continuam a multiplicar-se mais depressa do que coelhos em tempo de cio; alastram-se pelos escaparates com mais velocidade do que um cancro maligno. Houve dois que tiveram um impacto impressionante: A Bruxa de Portobello, de Paulo Coelho, e Eu, Carolina, da Sra. Salgado. É que ambos possuem o dom do eterno lucro: saíram em 2006, mas no final de 2007 toda a gente continua a pensar que são novidades. Em relação a Eu, Carolina é fácil perceber: o livro transformou-se num sortido de bombons e polémica, é livro e filme ao mesmo tempo e, apesar de ter chegado às livrarias há um ano, foi com ele que, no Verão passado, os portugueses se deitaram sobre as areias finas da Costa da Caparica. Com Paulo Coelho, o caso muda de figura: já ninguém lhe liga, o homem é como um bibelot pendurado na estante de uma tia afastada, mas, ao 13º livro, continua a vender milhões. Por que raio ainda há gente a precisar de comprar A Bruxa de Portobello para perceber que aquilo é mau?! É um mistério que coloco à vossa consideração neste fim de ano, apelando a que o desejo da vossa 12ª passa seja dedicado ao final da carreira místico-literária de Paulo Coelho. Felizmente, 2007 não foi só feito disto, teve coisas boas: na música, por exemplo, o regresso de Robert Wyatt; nas artes plásticas, Rauschenberg em Serralves; e na literatura, no meio daquele lixo todo, em certos cantinhos obscuros, houve o regresso de Alberto Pimenta, de Adília Lopes e a reedição d’O poeta nu, de Jorge de Sousa Braga, o homem que resolveu o enigma do sorriso da Gioconda. Diz ele que «um dos meninos do Botticelli surpreendeu-a, de noite, com um dedo acariciando o baixo-ventre.» E foi a ele que ouvi um conselho que vos deixo para vos guiar nos momentos de 2008 em que decidam comprar livros, ir ao teatro, ao cinema, a uma exposição: "Se tiverem dois pães vendam um e comprem um lírio".


publicado por condutoras de domingo às 11:28
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Destravados 2007
2007 foi um ano em que deu gosto encostar à berma e ver quem se tinha destravado por essas estradas fora. Reza a tradição que nestas listagens o nome mais emblemático e marcante deve ficar para o fim, mas este ano houve alguém que destravou com tal mestria que não resistimos a começar por ela. É mais forte do que nós e as Condutoras acreditam que se deve sempre vergar perante a excelência. E a excelência tem um nome: Britney Spears. Em 2007 ela adoptou um look algo Michelin, drogou-se até dizer chega, trocou os passos de dança atléticos por um arrastar desajeitado, perdeu a custódia dos filhos, baldou-se aos tribunais, espatifou carros, rapou o cabelo, enrolou-se com a Paris Hilton, atropelou paparazzis... Uff, cansa só de ouvir. Ah, e parece que também lançou um disco, mas isso não interessa grandemente. O que há a reter é que este ano Britney Spears partilhou connosco tudo o que tem de mais íntimo... e sim, também nos referimos à sua incursão pelas ruas sem a chamada “roupa interior”. Haverá maior prova de dádiva de uma artista do que partilhar com o seu público os encantos da depilação brasileira? Britney merece ser erguida como a Santa Padroeira dos Destravados, aquela que chega onde todos os outros apenas podem almejar.
Também em grande estiveram duas discipulas directas da Padroeira: Paris Hilton e Lindsay Lohan. A ambas aconteceu aquele que é actualmente o sonho de qualquer estrela em ascensão: foram presas. Nada de novo para duas meninas que parecem estar muito à vontade com tudo o que meta algemas e duches em conjunto. Meninos dos Morangos Com Açúcar, vejam e aprendam. Estão quase lá – um deles até está a monte e outro pegou fogo à escola – mas um pouco mais de empenho não vos fica mal.
Se para as destravadas anteriores a idade pode servir de desculpa, para o senhor que se segue essa regra tem mais que se diga. George W. Bush conta já com 61 aninhos, mas a sua mentalidade de cinco perdoa-lhe algumas diabruras. Como fazer um discurso onde matou Nelson Mandela, por exemplo. Ou não fazer ideia de onde fica o Brasil. Mas, tal como acontece com outras crianças de fraca educação, a culpa não é dele. Tudo o que não vem num livro de colorir ou não lhe é explicado por Dick Cheney num bonito teatro de fantoches, Bush Filho não assimila.
Assimilar não é um problema que atormente Amy Winehouse ou Pete Doherty. Antes pelo contrário. Estes dois não conseguem é parar de assimilar tudo o que possa ser fumado, cheirado, injectado ou de alguma maneira passado para o fluxo sanguíneo. Tiveram um 2007 cheio de percalços, apesar de por certo não se conseguirem lembrar de nenhum.
E se estes dois destravados têm o ar de quem anda por aí apenas a murmurar “Destroce! Pode vir à vontade que ainda cabe! Destroce!”, o próximo senhor não murmura: grita e ninguém o cala. Apesar de já ter havido quem tentou. Hugo Chavez é mais do que o presidente da Venezuela: é um artista. Mesmo. Com direito a CDs com cantorias e a toda uma linha de bonecos e até relógios com a sua cara morena e bochechuda lá espetada. Desperta amores e ódios. Sócrates quer trocar com ele lindos poemas de amor e barris de petróleo; já o rei Juan Carlos quer é que ele feche a matraca e está disposto a dizê-lo até em ringtone.
E por falar em Rei, fazemos aqui também um pequeno agrado à mais longa e tradicional linhagem de Destravados: a Família Real Britânica. Dez anos após a morte da Princesa Diana continuam não só a fazer render esse peixe com novas escandaleiras e teorias da conspiração, como também os petizes William e Harry encetam uma bonita e promissora carreira no mundo do disparate. Para que a tradição não se perca.


publicado por condutoras de domingo às 11:15
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Condutoras Fim de Ano

Hoje as Condutoras de Domingo fazem um percurso especial: pelos melhores (ou piores!) momentos de 2007. É o chamado best of, tão apreciado nesta época do ano! Boa passagem de ano e feliz ano novo para todos os que se cruzam connosco neste caminho sempre atribulado! :)



publicado por condutoras de domingo às 11:00
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Domingo, 23 de Dezembro de 2007
Os Três Reis Magos
Rei Gaspar!
Sócrates e Mário Lino vão ter que fazer uso do seu espírito natalício para dividirem este Rei Mago, o Gaspar. De certeza que a tarefa não vai ser complicada, porque estes 2 senhores deram provas de enorme solidariedade, ainda esta semana. Ao brindarem o povo português com aquilo que mais gosta. Inaugurações. É verdade. 17 anos depois, a linha azul do metropolitano tem finalmente um novo troço! A coisa andava mortiça desde que estrearam o túnel do Marquês e a FNAC de Alfragide. E os excursionistas especializados em ser os 1ºs a pisar pavimentos luzidios andavam a ressentir-se. Era já demasiado tempo sem ver ministros a cortar fitas e a destapar placas com inscrições nada originais. Nunca dali sai um poema, um ditado popular, nada. Mas a malta aprecia na mesma. É como aqueles filmes de domingo, que já se sabe como acabam. Com o Natal à porta e poupanças nas iluminações do Chiado, Sócrates achou por bem compensar os portugueses com mais uma festança e dar uma prenda a Mário Lino, para ele desembrulhar. Com apenas uma condição: manter-se calado! É que, toldado pela emoção, podia dar-se o caso do Ministro das Obras Públicas soltar algumas palavras em francês, estilo “metro em Santa Apolónia? Toujours, toujours”, ou sugerir a criação de uma linha roxa, até à Ota. Sócrates teve duas preocupações constantes ao longo da viagem inaugural: não amarrotar o seu sobretudo e manter Lino debaixo de olho. Principalmente na passagem pelo Cais Sodré. Ao que as condutoras de domingo apuraram, Mário Lino anda a frequentar o programa Novas Oportunidades, para fazer o Módulo de História e Geografia. E já abandonou a teoria de que a Margem Sul é um deserto. Agora acredita piamente que desembarcam todos os dias no cais fluvial tropas da Normandia. Consta até que ao sair da estação do Terreiro do Paço se encolheu… com medo dos bombardeamentos. Assustando de morte m bando de pensionistas que tinham vindo de Alverca de propósito para estrear as carruagens, e que gritaram: “pronto, é agora que isto vai inundar! Salve-se quem puder!” Mário Lino termina o ano a provar a Sócrates, uma vez mais, que é perito em enterrar-se. Mesmo debaixo da terra e inclusivamente sem abrir a boca.

Rei Baltazar!
Para Nicolas Sarkozy. Por protagonizar o melhor conto de Natal deste ano. Uma coisa assim entre as fábulas dos Irmãos Grimm e os clássicos da Disney. É que foi precisamente o parque de diversões o cenário escolhido por Sarkozy para apresentar a nova namorada ao Mundo: Carla Bruni. É verdade, parte do mundo já a conhecia… Alguns pela carreira de modelo, outros pela de cantora. Os primeiros estão neste momento a roer-se de inveja do Presidente Francês, e a pensar como seríamos um país diferente se em vez de uma Maria, Cavaco Silva tivesse uma Nayma. Os outros, que tenham o azar de ter em casa um CD da Carla Bruni, com certeza que lamentam a sina de Sarkozy. É que ouvir “quelqu’un m’a dit” de manhã à noite… é um castigo demasiado severo! Mas o Presidente francês é capaz de merecer… É que ele está para lá do nível admissível de vaidosice, ultrapassando Sócrates na escala de metrossexualidade. Uma exímia conjugação de camisas e gravatas é muito pouco contra um presidente que manda corrigir as suas fotografias no Photoshop. Para que não se vejam as banhas da barriga. É concorrência desleal para o nosso Sócrates. Mas há sempre a outra face da moeda: Sarkozy, pelo menos, pode gabar-se de andar com uma artista, enquanto que ao nosso aprumado primeiro-ministro resta contentar-se com uma jornalista. Que tem mantido escondida dos olhares mais indiscretos. Pois, pudera! Se quiser seguir o exemplo do político francês e apresentá-la ao público num parque de diversões… o máximo que pode fazer é meter-se no carro e ir até à Bracalândia. O que ainda é trabalhoso!


Rei Belchior!
Para Nuno da Câmara Pereira. Pela caridade cristã que mais uma vez demonstrou este Natal, no Parlamento. Perante uma petição internacional que sugeria a criação do Dia Mundial da Luta Contra a Homofobia, Câmara Pereira não esqueceu os pobres e oprimidos. E ergueu a sua voz, uma vez mais, para defender as minorias. O homem que “teve um cavalo ruço que se chamava gingão”, que confessou numa entrevista que “a peça de roupa que mais preza é a cuequinha”, e que tentou em tempos afirmar-se como legítimo herdeiro da coroa portuguesa… Não nos deixou ficar mal e escreveu um relatório detalhado sobre a petição contra a homofobia. Ele é contra, claro está. E porquê? Porque isso colocaria os homofóbicos numa situação de discriminação. Ora isto não se faz! Discriminar pessoas que odeiam homossexuais… Segundo Câmara Pereira, criar um dia de luta contra a homofobia seria atentar contra a liberdade de opinião. Mas a especialidade do deputado monarca é mais contrariar a opinião alheia. É que não é a 1ª petição que boicota: já tinha estragado a brincadeira à malta zen que queria um Dia Nacional do Yoga. Fora isso, não lhe é conhecida mais nenhuma intervenção na Assembleia. Mas o relevo destas é tão grande que é natural que tenha de descansar. Nós queremos desde já fazer um esclarecimento. Ao atribuir a Câmara Pereira o Rei Mago preto, Baltazar, não quisemos ofender nem os racistas, nem os militantes de extrema-direita nem sequer a minoria das minorias, ainda mais irracional e incompreensível que essas: os que defendem o regresso da monarquia!


publicado por condutoras de domingo às 12:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

Hoje Deviam Fazer Anos - Bruno Pidá
O Natal é a época em que se celebra o nascimento do Menino Jesus. É portanto, uma comemoração de um aniversário. E se assim é, espantam-se as Condutoras – e indignam-se também – pelo facto de nunca aparecer, no dia 25 de Dezembro, o nome de Jesus na secção do “Hoje Fazem Anos”. Se calhar, é porque não atinarem com os anos que ele faz ou por não saberem como o apelidar. Por nós, basta pôr: Jesus Cristo, messias, uma data de anos. É um reparo que fazemos aos senhores lá dos jornais. Mas Jesus não é o único a precisar de uma festa de anos, por isso, vamos já saber quem é que está a precisar de bolinho para animar.
Hoje devia fazer anos... Bruno Pinto, também conhecido como Pidá. Este jovem amoroso do Porto devia ser o novo menino Jesus, e fazer anos no Natal. É que quando lhe disseram que ia ser o protagonista da Operação Noite Branca, a 1ª coisa que pensou é que era um convite para gravar o novo single natalício dos Anjos. Uma versão mais moderna, com os manos Nelson e Sérgio a cantar aquele mesmo poema: “nesta noite branca, sou um boneco de neve”, mas com rap de Pidá em fundo, ao melhor estilo 50 Cent. Depois ainda pensou que fosse um convite para a gala de Natal do Porto Canal ou assim… onde pudesse ir actuar, enquanto segurança de Pinto da Costa. A título não oficial, claro. Motivado pelo mesmo espírito cristão que levou os jornalistas da TVI a mascararem-se de reis magos. Pidá já estava cheio de ilusões, pensando que podia ter nas mãos o papel da sua vida, estilo Kevin Costner a defender Whitney Houston no “Guarda Costas”. Mas não, nada disso. Em plena época de paz e harmonia, esses bandalhos da PJ… prenderam-no! Isto não se faz. A companheira do detido não só terá de comer rabanadas sozinha, como toda a família perde a bonita tradição de Pidá esganar e rechear o peru com as próprias mãos. O que vale é que Pidá nunca foi muito dado a cerimónias religiosas, a não ser um ou outro funeral. Ainda assim, fez um esforço para se adaptar aos nossos rituais de Natal… Até tentou aderir à moda dos Pais Natais trepadores na varanda. Com uma pequena variante. Em vez do boneco, pendurou um saco de plástico com cordel… Uma coisa mais americana, ao estilo das meias onde se metem presentes. O pior é que a prenda era uma arma com calibre de 9mm e quem a abriu foi… o inspector da Judiciária. Por isso, deixamos aqui a nossa sugestão: Pidá, esquece o Natal, não é coisa para ti. Passas a fazer anos hoje e inauguras a tua própria tradição. Tudo à tua maneira. Se quiseres copias até alguns festejos do fim de ano: bates panelas e lanças fogo de artifício. Se este, acidentalmente, atingir algum proprietário de alguma discoteca no Porto… São acidentes que acontecem. Mas também, em dia de festa ninguém se vai aborrecer com pormenores. Venha de lá a pinhata mexicana para o Pidá rebentar à paulada! 


publicado por condutoras de domingo às 12:41
link do post | comentar | ver comentários (2) | adicionar aos favoritos

Estação de Serviço - Bombons
Hoje paramos na estação de serviço para comprar prendas de última hora, claro! E todos sabemos que não há prenda mais universal que bombons. Mesmo que a nossa tia seja diabética e o nosso primo alérgico a chocolate, fazemos questão de ignorar e dar-lhes uma bela caixa de frutos do mar. Com aquelas conchas e cavalos-marinhos que se não tivessem sido recheados de pasta de cacau eram neste momento sabonetes e sais de banho. Mas os Guillian ainda estão a meio caminho, entre as novidades e os clássicos. Porque, por mais que sejam vendidos, ainda não têm uma senhora de chapéu amarelo a fazer-lhes publicidade. Uma senhora cuja dedicação é tanta que passeia há anos e anos na mesma limousine, só para levar mais longe a palavra da salvação, e a pirâmide de bombons. Mais recentemente houve algumas variantes. Estilo Anita na Escola e no Circo, mas na versão “Senhora de Amarelo” na festa ou no leilão. 
Vamos ver um exemplo:


Primeira coisa a reter: estão a licitar um vaso chinês do século VII mas ninguém quer saber. A mulher está mais entretida com este joguinho do Ambrósio completar todas as suas frases e persegui-la para todo o lado. Com as suas luvas de Jack, O Estripador, e uma caixa forte, que podia esconder um arsenal de g3 e espingardas. Estes comportamentos do casal levam-me a crer que a tradução do slogan, do espanhol para português, devia ter sido mais literal. Vejamos:


Lá está: satisfaz o desejo do esquisito, faz todo o sentido! Mas a malta dos chocolates é, de maneira geral, passada. Já os do Mon Cheri decidiram que bombom é coisa demodé e só usam a palavra “chocolatinho”. Além disto, depois de anos de conversações, mais demoradas que as cimeiras da ONU, para decidirem como dividem o último… deixam que um amigo qualquer o roube, e ainda acham graça. Podiam juntar-se ao Ambrósio e formarem um grupo de ajuda para gente sem personalidade. É difícil superar o grau de foleirice desta malta, mas há marcas a tentar e bem! Têm tácticas distintas: umas confiam demais no intelecto dos portugueses, outros de menos. A Lindor acha que somos capazes de associar “chocolate cremoso e avelãs” a um nome que é, desde sempre, sinónimo de uma só coisa: gigantes fraldas para a incontinência. Já a Merci, deve ter gasto milhões para compor esta canção: “sou tão feliz quando estou contigo, muito obrigado e obrigado é merci”. Reparem, antes de avançarem para o slogan “Merci por seres assim”, e com medo que as pessoas não percebam, introduzem subtilmente na música a explicação. Tipo: querida mãe, obrigado é Merci, e é por isso que hoje te ofereço bombons com massapão e praliné. Tudo para que não haja famílias destroçadas nesta consoada. Merci!


publicado por condutoras de domingo às 12:31
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Calendário Romano
Nós achávamos que o calendário mais estranho para oferecer este natal era o da Karacter. Aquele que tem o João Pinto a servir sushi, com o equipamento do Braga, e o César Peixoto a ser espezinhado por outras modelos que não a Isabel Figueira. Pois ainda não tínhamos visto nada! Chegou-nos às mãos, vindo directamente do Vaticano, um calendário ao melhor estilo Pirelli. Mas em vez de modelos semi-nuas tem… padres e seminaristas de batina! Juramos a pés juntos (que belo trocadilho católico), que isto é verdade. Dava para aquelas rubricas do “acredite se quiser”. Nós queremos. Muito. Perante este “Calendário Romano” somos mais crentes que a maior beata da paróquia. Aqui não importam os dias e os feriados. Nem sequer a vasta lista de Papas, por ordem cronológica, que vem na primeira página. Ao contrário dos calendários que temos lá em casa, com belas planícies de valquírias, onde só nos interessa ver em que dia marcámos consulta para o ortopedista, neste o principal é mesmo a própria da paisagem! E devemos dizer que, estrategicamente, os meses mais bem dotados são os de Março, Abril e Maio. Primavera, minhas amigas, que estes padres não brincam em serviço! Tudo foi pensado ao pormenor. Este calendário vai direitinho, não para a parede da garagem, mas para o nosso retrovisor. Nós não somos a favor da malta que pendura terços no espelho mas… pensámos melhor e também queremos que a nossa viatura seja abençoada. Assim podemos seguir viagem na Paz dos Senhores!

Ah! Se não acredita que este calendário existe, então vá a www.calendarioromano.org. E repare, o casting para 2009 já abriu. Para os que falam em crise de vocação, esta pode bem ser a resposta. Um padre já não tem de ser um modelo de virtude, basta que seja só modelo. E de facto, com este calendário, passe a heresia, há todo um novo sentido para a expressão “corpo de Cristo”.


publicado por condutoras de domingo às 12:15
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

O Presépio das Condutoras de Domingo
Como não podia deixar de ser, também nós montámos o nosso presépio, ali atrás, na tampa da bagageira. É lamentável que os ouvintes não consigam espreitar tamanha beleza e harmonia. Nas palhinhas deitado, descansa em paz o Menino José Sócrates, o Messias por quem tanto se esperou; a criança que, assim que atingir a idade adulta, será responsável por autênticos milagres, sempre com uma atitude muito low profile, sem criar grandes expectativas e sem, no entanto, conseguir escapar aos olhares invejosos dos que o rodeiam. Que bonito, o nosso Menino Sócrates, rapaz humilde, filho de gente que escapou à miséria graças, talvez, ao ouro, incenso e mirra de uns quantos amáveis reis magos; que bonito, o nosso provinciano, tão tranquilo na manjedoura rústica deste presépio, sabendo desde o berço que se irá fazer sem pedir licença a ninguém. Nem mesmo a São José, ou no caso deste nosso presépio, São Marcelo, o pai que lhe vai sussurrando ao ouvido qual o caminho a seguir, que estrela o deve inspirar, como deve agir. Mas o Menino Sócrates não ouve, ainda é muito pequeno para saber o que quer e, para além disso, São Marcelo fala demasiado e demasiado depressa. Nem a nossa Virgem Maria consegue apanhar o fio à meada e, talvez por isso, permaneça virgem. Em suma, não deu por nada. Claro que não. A Nossa Senhora deste presépio pensa pouco, é futebolista; aliás: é o melhor futebolista do mundo. Virgem Kaká chegou ao altar com uns 23 aninhos imaculados, rejeita tudo o que é pecaminoso, como a roupa interior que as fãs lhe oferecem. Do seu seio vai nascer um bebé em 2008, é certo, mas sem pecado, pois esta nossa Virgem Kaká aspira à condição de padre. Por isso, é com zelo e dedicação que Francisco Penim, o burro do nosso presépio, e Teresa Guilherme, a sua companheira vaca, aquecem a Virgem, o Menino e São José. E quem mais lhes aparecer à frente, necessitando de um pouco de calor, mimo, protecção. Assim, pelo menos, e mesmo nos tempos difíceis que se avizinham, ficam com a certeza de que já fazem parte da mobília de um presépio. E, claro, nunca se sabe o que o humilde, mas generoso Menino Jesus lhes pode dar em troca. É este o nosso precioso presépio, que bem podia estar exposto na Vila Natal, em Óbidos. Por ele, sim, vale a pena passar o Natal no trânsito que se acumula pela A8 fora, resistindo sempre à vontade de pedir ao Pai Natal que nos transforme num velho de 80 anos, capaz de inverter a marcha e regressar a Lisboa em contra-mão. Mas isso seria pedir o impossível ao Pai Natal que, coitado, não faz parte do presépio.



publicado por condutoras de domingo às 12:06
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

... e também sem direito a festa.
Por causa da gala da FIFA, Cristiano Ronaldo não pôde comparecer à festa que Rio Ferdinand organizou para a rapaziada e onde, em vez de haver raparigas a saltar do bolo, parece que houve raparigas obrigadas a comer o bolo. Uma desgraça nunca vem só: Cristiano Ronaldo não só não ganhou o prémio da FIFA, como ainda teve de ir para o jacuzzi sozinho. Mas, até é capaz de ter sido bom ele não ter ido à festa. Assim escapou à humilhação de ficar em segundo lugar... é que o Anderson também foi convidado.



publicado por condutoras de domingo às 12:05
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Cristiano Ronaldo não teve direito a prenda
Cristiano Ronaldo fez furor com um anúncio em que devolvia a pujança erótica ao já banalizado colchão. Mas a verdade é que na passada segunda-feira, ele lembrou-nos foi outro anúncio mítico, em que um outro desportista declarava ter “cara de miúdo”. Cristiano Ronaldo ficou com cara de miúdo – e um daqueles que se prepara para uma grande birra, com direito a espernear e a Transformers escangalhados de encontra a parede - porque Kaká voltou a ganhar-lhe numa corrida a uma estatueta dourada, desta feita o prémio da FIFA. Nós não só compreendemos como apoiamos a indignação do nosso madeirense. O Kaká?! O virgem, o que quer ser padre e o que proclama o nome do seu amigalhaço Deus por tudo e por nada? Toda essa pureza e devoção fazem-no parecer um “Anjo Na Terra” – e, diga-se, o Michael Landon também era bastante irritante.
Mas o trágico da situação não se ficou por aqui. Também o pequenino Leonel Messi lhe passou à frente, conquistando o segundo lugar e deixando Cristiano na ponta baixa do pódio. Admitimos que achamos Messi muito fofo. Mas também achamos gatinhos bebés fofos e não é por isso que pensamos que eles merecem um prémio por jogarem à bola com adoráveis novelos de lã! Chamam a Messi “o Novo Maradona” ... nós achamos que ele é mais o novo Dunga, o anão fofucho da Branca de Neve.
A noite de sonho transformada em pesadelo de Cristiano Ronaldo não se ficou por aqui. É que durante alguns segundos ele ainda agarrou nas suas mãos o galardão de prata, o que ao menos lhe dava a honra de ser o segundo do mundo. Mas tudo não passou de um engano de Pelé, agora mais empenhado em lançar discos do que no futebol. O brasileiro, num gesto sádico e digno de reprovação por parte das facções anti-tortura da Amnistia Internacional, fez confusão e trocou os prémios de Messi e Cristiano Ronaldo. Resultado: o prémio foi arrancado ao português, que ficou ainda com mais cara de quem queria colinho da mãe e um prato de panados.
Mas há que fazer-se um esforço para ver sempre o lado positivo das coisas. Cristiano Ronaldo pode usar esta experiência traumática a seu favor. Da próxima vez que quiser em campo atirar-se para o chão a chorar para ver se o adversário leva falta... só tem de recordar-se do sorriso panhonha de Kaká e fazer um ar sofrido. Também pode ser útil da próxima vez que precisar de umas lágrimas de crocodilo quando marcar contra o Sporting.



publicado por condutoras de domingo às 11:59
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Notícia Mais Insignificante da Semana - UHF
António Manuel Ribeiro que é o vocalista da banda UHF; que diz que a rádio é uma chatice; que afirma cantando “ser o Benfica”; que faz crónicas pertinentes no Setúbal na rede como “E agora Durão? Duro ou durinho?”; que foi o autor da canção “É hoje agora” que deu voz ao Partido Socialista nas eleições legislativas de 1987; que é natural da margem Sul com muito orgulho; que gosta de música e não gosta de sacanices; que escreve livros de poesia com quadras míticas como “Que passa por ser, Descuido e azar, Um sofá, um bidé, Uma cama ou o chão”; foi notícia porque apresentou queixa contra uma fã obsessiva... que o persegue…
Noutros países uma Madonna, um Brad Pitt, uma Bjork têm fãs obsessivos e compreende-se porquê. Em Portugal qual Diana Chaves, qual Merche Romero, qual Miguel Veloso… Quem tem fãs obsessivas é António Manuel Ribeiro!
Mas há aqui qualquer coisa nesta história que não bate certo.

Primeiro: essa fã só aparece quando António Manuel está sozinho e pelas palavras do mesmo: “Quando a polícia chega ela desaparece. Quando os meus vizinhos estão por perto ela não aparece. E creio que deixou de rondar a minha casa. Mas não tenho a certeza se parou de me perseguir.”.
Segundo: António Manuel diz que pediu uma ordem de restrição e que a fã foi convocada para uma avaliação psicológica mas ele sabe que ela não pode ir…
Terceiro: uma das provas que António Manuel tem é que a sua mãe de 78 anos recebe muitas chamadas telefónicas… não será telemarketing?
E por último numa das suas entrevistas, António Manuel deixou um recado às suas fãs:”Espero que nos possamos encontrar em breve e que juntos façamos a festa.”… Hum parece que estava mesmo a pedi-las, não?
António Manuel Ribeiro auto intitula-se como Jim Morrison português. A teoria das condutoras é a de que António Manuel sofre do mesmo mal que sofria Jim… alucinações! Será que essa fã existe mesmo?? E se ela realmente existe, então ela também sofre de um problema... o mesmo problema que Nuno Gomes: falta de visão aguda!


publicado por condutoras de domingo às 11:55
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

ASAE de Natal
Mas, nem tudo é mau e, no meio desta guerra de pastelaria, surgiu até uma boa noticia: afinal, o bolo-rei pode ter brinde. A ASAE que anda em verdadeira campanha de limpeza de imagem, decidiu reagir à petição on line contra as novas medidas de higiene alimentar e esclarecer a nação sobre o que dizem ser certo mitos e boatos. Entre bolas de Berlim na praia, colheres de pau e pão duro para a açorda, descobre-se o brinde no Bolo-Rei. Sim, é verdade, eles deixam! Tenha ou não tenha fruta cristalizada, a ASAE diz que o bolo pode ter um brinde parvalhoco lá dentro. E dizemos nós: desde que, de certeza, venha devidamente lavado, desinfectado e desbaratizado e envolto em invólucro de vácuo acético e com as medidas regulamentares e devidamente separado da massa..., que é como quem diz, mais vale servirem o raio do brinde num saco de plástico à parte!  


publicado por condutoras de domingo às 11:50
link do post | comentar | ver comentários (1) | adicionar aos favoritos

O que é Nacional é Bonzinho - Bolo Rei vs. Bolo Rainha

Há um único aspecto no Natal capaz de explicar por que é que continuamos a ser apanhados pela frenética onda natalícia: a possibilidade de comermos alarvemente sem culpas nem medos. Uma das guloseimas de renome natalício, que contribui para esta comezaina desenfreada, é sua majestade, o Bolo Rei. Porém, nos últimos tempos, algo de muito grave se tem passado no reino desta redonda iguaria. Anda por aí alguém a querer destronar o Bolo Rei! Há um golpe de Estado em curso liderado pela fruta cristalizada. Cerejas vermelhas e verdes, laranja, pêra e abóbora, reforçadas com uma camada de xarope de glucose, açucar, conservantes, corantes e regulador de acidez, uniram esforços para depôr o Bolo Rei e, no lugar dele, instalarem o Bolo Rainha. O objectivo? Tornarem-se um produto autónomo nos hábitos de consumo dos portugueses. É bem sabido que, ao consumirem uma quantidade razoável de fruta cristalizada no Bolo Rei, as pessoas deixam de comprar frascos desses frutos, prejudicando uma tradição com cerca de 4000 anos. Ora, os frutos cristalizados aperceberam-se do impacto do Bolo Rainha no mercado natalício; aperceberam-se de que são constantemente humilhados por pedidos “daquele outro bolo, sem a fruta cristalizada”; aperceberam-se de que não lhes basta o estatuto de adorno de bolo e que o melhor caminho para a emancipação é o apoio ao Bolo Rainha. E desenvolveram uma estratégia de ataque ao Bolo Rei:conviveram com ele, sacaram-lhe o brinde e a fava e infiltraram-se na massa, deixando-o tão tenso que, salvo honrosas excepções, tem vindo a ficar progressivamente mais rijo. Não parecendo, esta é uma questão que domina a actualidade natalícia. Por esta altura, há milhares de blogues onde donas de casa debatem a problemática da supremacia do Bolo Rainha face ao Bolo Rei. Quem não acredita que faça uma pesquisa na net. Eu fiz; e conclui que há uma iguaria que teve muito menos trabalho do que a fruta cristalizada para se libertar dos doces de pastelaria. O vosso aplauso, por favor, para a PASSA, do departamento dos frutos secos. Ninguém a quer, nem no Bolo Rainha! É ver o pessoal todo, por estes dias, a esburacar bolos, arrastando as passas para as bordas dos pratos. Mas nem isso desanimou a passa. Porquê? Porque se agarrou com unhas e dentes a uma tradição milenar de um povo azarado cheio de crenças supersticiosas: os desejos do fim do ano. Já se sabe: cada badalada, cada passa. Que bela lição de emancipação para a fruta cristalizada...



publicado por condutoras de domingo às 11:48
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Salvem o Corrula!
É no Natal que as injustiças deste mundo se evidenciam e saltam mais à vista. E é também nesta época, talvez por ser uma quadra mais virada para os valores mais importantes da vida – ou, simplesmente, porque está frio – que nos tornamos solidários.
Há quem ajude os sem-abrigo, há quem lute pelos descriminados, há quem abrace a causa de Darfur... nós, as Condutoras de Domingo, preferimos alertar as consciências para outro grande flagelo que está a atingir a humanidade sem que ninguém se aperceba e, desde já, iniciar uma mega campanha de solidariedade, intitulada “Salvem Jorge Corrula”. O que são 2 milhões de refugiados comparados com o que este rapaz tem de sofrer todos os dias, em prime time, numa televisão de sinal aberto? O que é a prisão de Abu Grahib comparada com a violência que é ter de assistir à produtora barra actriz barra diva da tv, Teresa Guilherme, a alambazar-se ao pobre do rapaz na novela “Resistirei”. Nenhum filme de terror de série b coreano consegue causar tanta aflição e medo do que uma cena em que Teresa Guilherme esmaga com as manápulas os bracitos do Corrula, o encosta contra a parede e lhe pespega a língua pela goela abaixo. O horror, o horror! É um crime contra a humanidade e nós somos todos cúmplices, pois tudo isto está a acontecer à nossa frente e nós não fazemos nada para ajudar. Por isso, gritamos: Salvem o Jorge Corrula! Junte-se à nossa campanha! Se for preciso, até fazemos t-shirts e peditórios e assim, mas isto tem de acabar. Se quiser ajudar-nos a salvar o Corrula, vá ao nosso blog – condutorasdedomingo.blogs.sapo.pt e mande-nos um mail. Ajude-nos a ritar: nem mais um linguadão de Teresa Guilherme para a boca de Corrula!
É certo que o rapaz tem de ganhar a vida, mas não é preciso exagerar. E, ainda bem que ele namora com a Paula Lobo Antunes, que é filha de um afamado neurocirurgião. É que depois desta novela e do estado em que vai ficar aquela cabeça, ele vai mesmo precisar de muitas consultas com o sogro. “Salvem o Corrula!!



publicado por condutoras de domingo às 11:35
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

Choque Frontal - Leopoldina vs. Popota
Este Natal promete ser tudo menos harmonioso nos hipermercados. As mascotes estão em pé de guerra. Leopoldina defende as cores do Continente, Popota as do Modelo. Todos sabemos que “Modelo e Continente” é já um par mais inseparável que Modelo e Detective. São ambos da Sonae e, como tal, esta é uma luta fratricida. Ao melhor estilo Paulo vs Miguel Portas. Sendo que a representante da direita conservadora é claramente a avestruz, e a esquerdista a hipopótama. Mas não podemos reduzir este duelo a facções políticas. É bem mais complexo que isso. Leopoldina é a irmã mais velha e já tem um império considerável: o Mundo Encantado dos Brinquedos. No fundo, esta avestruz é a transposição de Belmiro de Azevedo para o universo animal. Sóbria QB, mas com olho para o negócio. Tanto olho que este ano junta ao CD do costume, um DVD. É Leopoldina 2.0, rumo ao futuro. Já a imberbe Popota, além de fazer lembrar a vocalista dos Buraka Som Sistema, é um pouco mais rural. Em vez dum reino encantado, tem a singela “Quinta da Popota”. Se quisermos continuar com as equivalências, Popota seria empregada de caixa no Modelo de Cinfães e teria um poster do Comandante Ronaldo no seu cacifo. No site diz que quando for grande quer ser médica, cantora, ou dos Médicos sem Fronteiras. Será que Popota acha que isso é o nome duma boys band? Lá diz também que adora chocolate de leite e gomas de ursinhos e gelados, mas tudo com peso e medida, pois se engordar muito é mais difícil dançar. Mas ela é um hipopótamo, é o cúmulo da obesidade no reino animal… o que é que interessa se come um balde de Haagen Dazs ao pequeno-almoço? Sim, eu sei, que é uma hipopótama especial. Que dança. Que podia até entrar na nova revista do Parque Mayer, dando mais sentido que nunca ao título “Hip Hop Arque”. Uma hipopótama que na sua gala, Causa Maior, foi vestida pelo estilista Nuno Baltazar. Fazendo Elena Miró temer o fim do monopólio dos tamanhos XXL. E ainda bem que falamos em galas, porque até nisto Popota é bem mais modesta. Teve só uma Catarina Furtado e uma plateia cheia de fãs de Tony Carreira, que achavam que a mascote estava lá para distribuir amostras de detergente. Já Leopoldina teve direito à famosa gala da TVI, com solos de Manuela Moura Guedes e tudo. A clivagem social é gritante: Popota tem um livro de receitas onde, entre repolho e rabanadas, há um conto de Sónia Araújo. Já Leopoldina, tem um Musical no CCB. Sinceramente não sei quem ganhará: se a força bruta de Popota ou a estratégia de Leopoldina. A única coisa que tenho como certa é esta: Rik e Rok são judeus. Não há outra explicação para as mascotes do Jumbo estarem assim tão alheadas do confronto natalício.


publicado por condutoras de domingo às 11:30
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO