as condutoras
Condutoras de Domingo é um programa da Antena 3. Um percurso semanal (e satírico) pelos principais assuntos da actualidade e pelo país contemporâneo.
Todos os domingos na Antena 3, entre as 11:00h e as 13:00h. Um programa de Raquel Bulha e Maria João Cruz, com Inês Fonseca Santos, Carla Lima e Joana Marques.
escreva-nos para
condutoras@programas.rdp.pt
podcast
Ouça os programas aqui
percursos recentes

Condutoras de Domingo

Ricardo Aibéo

No Auto-Rádio a 29 de Jun...

Sinais de Luzes - 29 de J...

Deviam Fazer Anos

Estação de Serviço - Pisc...

Heelarious

Choque Frontal - Vale e A...

Horóscopo - Gordos

Está a Falar de Quê? - Ma...

Tão Mau Que é Bom - Luís ...

De Encontro ao Pára-Brisa...

Touros

O Que é Nacional é Bonzin...

viagens antigas

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Domingo, 25 de Maio de 2008
Choque Frontal - Feira do Livro

Se o digníssimo ouvinte é fã de cenas de porrada, pode passar uma tarde a ver wrestling na televião. Ou ir ao cinema ver o filme novo de Jackie Chan e Jet Li, onde os dois asiáticos transformam piruetas-tipo-ginasta-russa em pancadaria. Ou, então, podem optar por ver porrada naquele que parece ser este ano o seu cenário ideal este ano: a Feira do Livro. Mas, para isso, avisamos já: é preciso gostar de lutas um bocadinho mais ao estilo do Jardim Infantil, com amuos, beicinhos e tiradas como “a bola é minha e eu agora levo-a para casa e mais ninguém pode brincar”. Quem diz bola, diz livro do Paulo Coelho em promoção.
Este fim-de-semana a Feira finalmente inaugurou, com a bênção da estátua sugestiva de Cutileiro. Mas a abertura esteve quase para não acontecer - tudo por causa do braço de ferro entre Leya e a Associação Portuguesa de Editores e Livreiros. Calma, a Leya não é nenhuma camionista que faz uma perninha num bar de strip: é o nome de uma editora. Ou melhor, de uma super editora. Paes do Amaral resolveu brincar ao Monopólio e desatou a comprar à maluca algumas das principais casas livreiras do país, como a D. Quixote, a Asa, a Oficina do Livro e muitas outras. Resta apenas saber se, neste Monopólio, lhe calhou aquele célebre cartão de “ganhou o segundo prémio num concurso de beleza, pode ficar com mais 174 editoras e afundar o mercado”.
Um colosso como a Leya não quis estar junto com a ralé da Feira do Livro e exigiu um espaço próprio, com actividades próprias e (o choque! O horror!) barraquinhas próprias. E isso é muito ingrato: aquelas tendas de contraplacado SÃO a Feira! As pessoas só lá vão para verem se este ano são verde-alface com bicho da madeira ou rosa-choque com peçonha. Isso é muito mais fascinante do que saber que o Grande Dicionário Dos Hamsters Alpinos está a dois euros.
A discussão sobre a Feira durou semanas, até que a Câmara de Lisboa fez o que qualquer pai que vê o Dr. Phil faria: ameaçou cortar a mesada a toda a gente. Por artes mágicas, lá ficaram amigos e já nos podemos todos passear na Feira, entre Proust e travestis do Parque Eduardo VII. E a Leya vai ter mesmo barraquinhas diferentes – resta saber se não vão ser tão espalhafatosas que toda a gente as vai confundir com as roulottes dos churros.
 



publicado por condutoras de domingo às 11:20
link do post | comentar | adicionar aos favoritos

pesquisar neste blog
 
links
subscrever feeds
tags

todas as tags

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
10
11
12

13
14
15
16
17
18
19

20
21
22
23
24
25
26

27
29
30
31


blogs SAPO